Paulinho segue vencendo a desconfiança sobre a sua contratação pelo Barcelona. A terça-feira foi de goleada dos catalães sobre o Eibar, com direito a quatro gols de Lionel Messi, o grande craque do jogo. Sem precisar de Luis Suárez, poupado, foi Messi quem assumiu os gols. E Paulinho o posto de titular pela primeira vez, no lugar de Ivan Rakitic. O brasileiro foi muito bem fazendo o que faz de melhor: chegando como uma locomotiva no ataque. Com tudo isso, 6 a 1 para o Barcelona e sorrisos no estádio dos Blaugranas.

LEIA TAMBÉM: Zaza fez três e, com goleada, o Valencia parece cada vez mais maduro para recuperar seu brio

Paulinho, aos 29 anos, chegou com muita gente torcendo o nariz, com alguns bons motivos até para isso. Vindo da China, depois de um fracasso no Tottenham, mas com alguns pontos a favor também: voando na seleção brasileira e com um estilo diferente. Este último ponto era visto mais como negativo do que positivo.

“Paulinho não tem DNA do Barcelona”, analisaram alguns colunistas dos jornais da Catalunha. A diferença, porém, foi valorizada pelo técnico Ernesto Valverde. E foi justamente uma das suas características diferentes que o levou ao seu primeiro gol no estádio que agora é também o seu. Em um escanteio, cobrado por Denis Suárez, ele subiu com tudo, como um torpedo, e cabeceou forte para o gol. Foi o segundo gol do Barcelona.

O primeiro gol tinha sido, claro, de Messi. O argentino cobrou com categoria para abrir o placar. O gol de Paulinho fechou o placar do primeiro tempo. No segundo, a atuação de Paulinho e especialmente de Messi melhoraram ainda mais. E o resultado acabou refletindo isso.

O terceiro gol, aos oito minutos da etapa final, começou em um passe que Paulinho fez o corta-luz, Messi avançou e chutou para defesa do goleiro. Denis Suárez aproveitou o rebote para marcar 3 a 0. Os três gols seguintes vieram com Messi. Primeiro em um chute colocado, na entrada da área, com a categoria que lhe é característica.

Depois, Messi arrancou, tocou para Paulinho, que devolveu ao argentino para finalizar por 5 a 1. Por fim, em uma jogada pela direita, Aleix Vidal tabelou com Messi até que o camisa 10 finalizou de primeira dentro da área.

Mais do que os gols, o Barcelona teve em Paulinho uma boa arma para a chegada com força ao ataque, usando a sua característica. O entendimento com Messi foi muito bom, o que é um ótimo sinal para o próprio Paulinho. Afinal, se entender com o craque do time é um bom motivo para ficar por lá.

Messi chegou a 12 gols na temporada (nove no Espanhol, dois na Champions League, um na Supercopa da Espanha). São apenas oito jogos oficiais do Barcelona. Sem Neymar, Messi concentra ainda mais as ações ofensivas. Mas a chegada de Paulinho pode contribuir como uma opção de força ao time, mais do que a cadência de Iniesta e Rakitic – que pode ser usado até mais atrás, na função de Busquets.

Talvez Paulinho não tenha mesmo o DNA do Barcelona, mas isso não é necessariamente um defeito: ele é um jogador que dá opções diferentes a um time que parecia sem soluções na última temporada. Somando isso a um Messi voando com gols, o resultado pode ser um coquetel interessante.