O jogaço entre Liverpool e Tottenham no domingo foi o principal assunto da rodada na Premier League. Em especial, a atuação da arbitragem, permitindo que os Spurs arrancassem o empate por 2 a 2 em Anfield. Os dois pênaltis assinalados a favor dos londrinos geraram muita controvérsia, sobretudo o segundo, em cima de Erik Lamela. E as declarações do técnico Mauricio Pochettino em relação ao cartão amarelo recebido por Dele Alli, punido pelo árbitro justamente ao tentar cavar uma falta, acabam alimentando ainda mais debate. O argentino criticou a fixação dos ingleses com esse tipo de lance, afirmando que há um exagero na cruzada sobre o mal que representam ao futebol.

“Foi uma jogada para cartão amarelo. Acontece. Durante diferentes jogos, um monte de situações como essa acontecem. O problema agora é que somos muito sensíveis sobre isso. E então nós focamos em Dele Alli. O árbitro estava certo e foi perfeito. Foi uma jogada para cartão amarelo e nada mais. Mas exageram às vezes, falando muito. Dele não é perfeito. Ninguém é. Ele é um garoto inteligente e um pouco malcriado. Futebol é um esporte criativo, no qual você precisa do talento que cresce em uma pessoa muito inteligente, em um cérebro muito inteligente. E agora nós estamos focando em detalhes mínimos”, declarou.

“Estou preocupado que, dentro de alguns anos, estaremos empurrando o esporte que amamos em uma estrutura muito rígida. Com o VAR, com o foco excessivo em ações pequenas como esta. Futebol é sobre tentar iludir seu oponente – sim ou não? Tática, o que tática significa? Quando você elabora táticas, está tentando enganar o seu adversário. Você joga pela direita, mas finaliza na esquerda. Vinte anos atrás, trinta anos atrás, nós todos parabenizávamos um jogador quando ele ludibriava o árbitro desta maneira. Esse é o futebol que eu amava quando era criança. Sim, na Argentina, mas na Inglaterra também. Vocês acreditam que na Inglaterra vocês são honestos e sempre perfeitos”, complementou – usando literalmente o verbo ‘to trick’ em suas declarações originais.

Sem entrar no mérito ético sobre o posicionamento de Pochettino, vale lembrar que sua comparação entre argentinos e ingleses tem um pano de fundo. E a referência não é apenas ao momento mais célebre, o gol de mão de Diego Maradona na Copa de 1986. No Mundial de 2002, a Inglaterra venceu a Argentina por 1 a 0, graças ao pênalti convertido por David Beckham. Mas como o lance se originou? Michael Owen caiu na área depois de uma disputa de bola com Pochettino, então zagueiro da Albiceleste, na qual o contato foi minúsculo. Ainda assim, Pierluigi Collina assinalou a infração. Posteriormente, o atual técnico do Tottenham afirmou que o atacante “se jogou como se estivesse em uma piscina”.

Atualizado às 18h10

Perguntado novamente sobre o tema, Pochettino voltou a se manifestar posteriormente sobre o assunto nesta quinta: “Eu sou honesto, sempre. E falo o que penso, o que eu sinto. Eu não gosto quando as pessoas distorcem minhas palavras, sempre minha intenção é manter o sentido no futebol. É por isso que eu disseque amo o futebol, porque pra mim o esporte significa criatividade. Sinto que não há limites para iludir o oponente de uma boa maneira, não trapacear. É isso que eu sinto sobre o futebol. Não vou mudar sua opinião”.