Não foi a goleada que muitos esperavam, mas o Tottenham venceu mais uma. Os Spurs receberam o Crystal Palace em Wembley e tiveram dificuldades contra os lanternas da Premier League, contando com boas defesas do goleiro Paulo Gazzaniga, substituto de Hugo Lloris. Apenas em meados do segundo tempo é que Heung-Min Son apareceu para acertar um bonito chute e determinar a vitória por 1 a 0. De qualquer forma, os três pontos estão na conta e os londrinos seguem sua boa maré, assumindo ao menos provisoriamente a terceira colocação na tabela, com 23 pontos. Não é o sofrimento que diminui a consideração sobre o trabalho de Mauricio Pochettino.

Na véspera do jogo, o treinador argentino concedeu uma interessante entrevista, que ainda merece ser repercutida. O nome de Pochettino está em alta, especialmente pelo excelente desempenho na Liga dos Campeões, vencendo com autoridade o Real Madrid no meio de semana. O suficiente para que comecem a especular o interesse de outros clubes no comandante. Ele, no entanto, permanece seguro sobre sua permanência em Londres, com contrato até 2021. Declarou seu comprometimento com os Spurs e o desejo de marcar ainda mais a sua história.

“Para mim, o Tottenham é o melhor e mais importante clube do mundo. Eu preciso sentir assim. A emoção é real, porque eu não poderia fingi-la. Eu não posso traduzir essa emoção aos jogadores. Eu não posso traduzir ao presidente, para criar a confiança se vocês realmente não acreditarem. Hoje em dia, o Tottenham está 100% na minha cabeça. Eu não trocaria o Tottenham por qualquer outro time do mundo, porque estou bastante envolvido, focado, e porque eu acho que o clube precisa de pessoas que pensem apenas nele, nos torcedores, nos jogadores e nas estruturas que proporcionam a nós uma vida inacreditável. É um clube maravilhoso, tudo está ótimo e por isso é tão importante retribuir, não? Pagar da mesma maneira que o clube nos trata”, afirmou.

Pochettino aproveitou a deixa para elogiar Daniel Levy, presidente do Tottenham: “Antes de chegar, todos diziam para mim: ‘É muito difícil ter uma boa relação com Daniel’. E, depois disso, eu descobri um grande homem. Hoje, eu sinto que ele confia em mim e eu confio nele. Este é um bom ponto, não? Além disso, eu não penso muito sobre o meu futuro. Eu penso sobre hoje. Não me importo com o que acontece ao redor, porque eu sei muito bem que estou feliz aqui e temos uma grande relação. Não é sobre ganhar ou perder, é sobre confiança. E quando você alcança isso em um clube como o Tottenham, com potencial massivo, você precisa criar algo juntos para tentar ser forte e vencer”.

Nas próximas semanas, Pochettino ganha uma pausa, com a realização da Data Fifa. O retorno às atividades, contudo, já será decisivo aos Spurs. A equipe disputará o clássico do Norte de Londres contra o Arsenal, visitando o Estádio Emirates. Depois, também viaja à Alemanha para encarar o Borussia Dortmund, podendo se assegurar na primeira colocação do “grupo da morte” da Champions.