Mauricio Pochettino já demonstrou, em diversas entrevistas, ser um treinador fiel aos seus ideais. O argentino se apega à filosofia de trabalho e afirma que, antes de ser jogador ou técnico, é alguém leal com aquilo que representa. Por isso mesmo, não surpreendem as declarações com um tom radical dadas pelo técnico do Tottenham nesta sexta-feira. O ex-zagueiro descartou totalmente comandar os rivais dos clubes aos quais está mais ligado. Preferiria dar novos rumos à vida do que se submeter a isso.

“Nunca vou ser treinador do Barcelona ou do Arsenal, porque estou muito ligado ao Espanyol e ao Tottenham. Eu cresci no Newell’s Old Boys e nunca treinarei o Rosario Central. É minha decisão. Prefiro trabalhar na minha granja na Argentina do que ser técnico de certos clubes”, apontou Pochettino, em coletiva de imprensa.

Revelado na base do Newell’s Old Boys, Pochettino era zagueiro do time que foi vice-campeão da Copa Libertadores em 1992. Dois anos depois, se transferiu ao Espanyol, no qual atuou por seis anos, e voltaria para uma segunda passagem, quando encerrou a carreira de jogador. Além disso, foram os pericos que abriram suas portas para o veterano dar os seus primeiros passos como treinador, à frente do time por três temporadas. Depois disso, teve uma rápida estadia no Southampton, antes de assumir o Tottenham em 2014.

A declaração de Pochettino envolvendo o Barcelona, de qualquer forma, ganha outra conotação neste momento. Diante da crise no Real Madrid, o nome do argentino surge com força, apontado como um dos possíveis substitutos de Zinedine Zidane. E, embora evasivo, ele não descarta a mudança ao Bernabéu: “No futebol, você nunca sabe o que acontecerá amanhã. Existem muitos rumores. Amanhã Daniel Levy pode ter uma noite ruim e decidir me demitir, então eu ficaria como um estúpido dizendo que não vou trabalhar em certos lugares”.

Pochettino, ainda assim, demonstra a sua satisfação em Londres e mira uma longa permanência com os Spurs: “O Tottenham é um clube enorme. Eu trabalho aqui como se tivesse que permanecer toda a minha vida, embora você nunca sabe o que vai acontecer. Sou realista. Olhe desde o começo da temporada e, nos últimos seis meses, aconteceram muitas mudanças nos bancos de reserva da Premier League”.

Além disso, apesar das diferenças econômicas visíveis na Premier League, o comandante reitera sua crença na filosofia implementada pelo Tottenham: “Você não pode ficar olhando o que os clubes ao seu lado têm. Você precisa acreditar na sua maneira de fazer as coisas, para criar sua filosofia e seu projeto. Sim, somos conscientes das diferenças, mas não podemos imitar o que outras equipes estão fazendo agora”.

Quinto colocado na Premier League, o Tottenham está a dois pontos de entrar no Top Four. Além disso, se prepara para enfrentar a Juventus nas oitavas de final da Liga dos Campeões. Neste final de semana, entretanto, um pouco mais de tranquilidade: os Spurs visitam o Newport County, da quarta divisão, pela Copa da Inglaterra.