Houve uma época em que era impossível tirar a bola de Ronaldinho Gaúcho. Seja porque ele arrancava com a aceleração de uma Ferrari, era forte que nem um touro ou porque escondia a bola no vácuo que só os mágicos sabem onde fica.

Esse tempo passou. Ronaldinho perdeu físico, um pouco daquele pensamento rápido genial, e ficou mais fácil desarmá-lo, embora ele tenha continuado um bom jogador, um dos principais responsáveis pelo título sul-americano do Atlético Mineiro.

Por alguns segundos, contra o Atlético Nacional, Ronaldinho lembrou aquele craque que foi duas vezes o melhor do mundo. Deu um drible vergonhoso – para os adversários – em dois jogadores do time colombiano e emendou com um lançamento perfeito para Fernandinho na ponta esquerda.

Lembra um pouco aquele lance da Liga dos Campeões de 2005/06, quando Ronaldinho recusou-se a perder a bola para Gattuso e inventou o lançamento que resultou no gol de Giuly, que deu a vitória ao Barcelona sobre o Milan naquelas semifinais.

Confira os dois:

Atlético Nacional 1 x 0 Atlético Mineiro

Milan 0 x 1 Barcelona