O Benfica revisitará parte de sua história em Turim nesta quarta-feira. Se vencer o Sevilla na decisão da Liga Europa, erguerá um título continental após 51 anos de espera. Colocará um ponto final na maldição de Béla Guttmann, que há tanto tempo perturba os encarnados. Homenageará Eusébio e Coluna, os craques daquele esquadrão histórico, que faleceram na mesma temporada da possível reconquista europeia. E também poderá dedicar o feito ao Torino, clube que os benfiquistas têm como irmão por conta de uma tragédia.

>>> Benfica x Sevilla: O guia da decisão da Liga Europa

O desastre de Superga marca os grenás como uma chaga. O acidente aéreo em 1949 vitimou 18 jogadores do Grande Torino, o timaço que era a base da seleção italiana e que venceu quatro edições seguidas da Serie A. O avião em que o time estava se chocou com a montanha de Superga por conta das péssimas condições climáticas. Voltava justamente de uma excursão a Lisboa, onde havia participado de um amistoso contra o Benfica.

O duelo entre portugueses e italianos era emblemático. Marcava a aposentadoria de Francisco Ferreira, então capitão do Benfica. Mas também tinha um gosto de revanche. Dois meses antes, os clubes haviam se enfrentado e o Torino goleou por 4 a 1. Desta vez, empurrados por 40 mil presentes no Estádio do Campo Grande, os encarnados conquistaram uma épica vitória por 4 a 3. Nada que tenha atrapalhado a boa relação entre os jogadores, que até jantaram após o jogo. A última apresentação de um dos times mais talentosos da história da Europa.

>>> Benfica achou um antídoto para a maldição de Béla Guttmann

Desde então, as manifestações de apoio entre os clubes se tornaram comuns. Coluna chegou a depositar uma coroa de flores no memorial aos jogadores em uma visita a Turim, na década de 1960. Já na partida de ida das semifinais contra a Juventus, os benfiquistas exibiram uma faixa no Estádio da Luz dizendo “4 de Maio de 1949: Lisboa não esquece. Honra ao Grande Torino”. Da mesma forma como os torcedores do Torino já agradeceram a força dos encarnados, como em duelo ante a Udinese, nesta temporada. Inclusive, uma das peças que restaram da do avião foi doada ao Museu Cosme Damião, em Lisboa, marcando esta forte relação.

O Benfica eliminou nas semifinais o time da casa, a Juventus, que sonhava disputar a decisão em seu estádio recém-inaugurado. Ainda assim, os portugueses certamente se sentirão como locais em Turim, graças ao Torino. Diante de tamanha amizade, não será de se estranhar algumas camisas grenás em meio às vermelhas nas arquibancadas. E, se tudo der certo aos portugueses, também na festa ao redor do Juventus Stadium.

Abaixo, o trailer do documentário “Benfica – Torino 4-3″, que conta a história daquele jogo: