Conquistar a Eurocopa foi um feito histórico para a seleção portuguesa, cuja trajetória transita entre o segundo patamar e a esperança que advém de grandes craques ou de gerações promissoras. O atual time tem bastante do primeiro e um pouco do segundo, combinação que leva Portugal a disputar sua sétima Copa do Mundo. A vaga foi selada nesta terça-feira, com vitória por 2 a 0 sobre a Suíça.

LEIA MAIS: Cristiano Ronaldo e incessante busca pela bicicleta perfeita: “Era o gol que faltava na minha carreira”

Em um grupo fácil, Portugal fez o que se espera do atual campeão europeu. Ganhou todas, contra Hungria, Ilhas Faroe, Letônia e Andorra, e perdeu apenas o duelo fora de casa contra os suíços, que também merecem todos os elogios por chegarem à última rodada com nove vitórias em nove rodadas. Têm todas as possibilidades de vencerem a repescagem, mas a realidade é dura: o 100% de aproveitamento foi quebrado apenas na última rodada e, mesmo assim, não conseguiram classificação direta para o Mundial.

Pesou o saldo de gols. Portugal marcou 32 e sofreu apenas quatro. A goleada por 6 a 0 sobre Andorra, na segunda rodada, foi crucial, uma vez que a Suíça venceu seus encontros contra esta seleção por apenas 2 a 1 e 3 a 0. A matemática dizia que bastava aos portugueses vencerem em casa para ficarem na primeira posição e foi isso que eles fizeram.

A outra boa notícia é que, como na decisão da Eurocopa contra a França, quando ele foi desfalque por lesão, Portugal conseguiu ser competitivo em um jogo decisivo mesmo sem uma grande atuação de Cristiano Ronaldo. Sua liderança técnica ainda é evidente: 15 gols em nove partidas nas Eliminatórias Europeias. Mas surgem mais companheiros de qualidade para dividir o fardo com ele.

Um deles é André Silva, atacante de 21 anos que foi contratado pelo Milan nesta temporada. Ainda longe do produto final, o jovem mostra bastante potencial e, se Ronaldo marcou 15 vezes na campanha, André Silva marcou nove e é o quarto maior artilheiro da Eliminatória Europeia, atrás do companheiro, de Lewandowski e de Lukaku. Contra a Suíça, completou uma bela jogada coletiva de Portugal para fazer o segundo gol, que praticamente garantiu sua seleção na Rússia.

A Suíça começou bem a partida, encurralando Portugal no seu campo de defesa, mas sem criar chances muito claras de gol. Os donos da casa começaram a equilibrar as ações. Bernardo Silva teve boa oportunidade ao receber passe de Moutinho, pela esquerda. Mas foi Djourou quem abriu o placar. Contra. André Silva ampliou, no começo do segundo tempo, e Bernardo Silva teve a oportunidade de fazer o terceiro, mas demorou para decidir a jogada.

A melhor campanha de Portugal foi o terceiro lugar de 1966, quando tinha Eusébio liderando a linha de frente. Chegou perto quarenta anos depois, sob o comando de Felipão, com Figo e um jovem Cristiano Ronaldo. Depois de fazer uma campanha única na Eurocopa, os portugueses conquistaram a chance de fazer história novamente. Desta vez na Copa do Mundo.