A Copa Paulista definiu seus classificados no sábado, com Inter de Limeira e Ferroviária avançando para a final, que será decidida nos dois próximos fins de semana. Entre os eliminados, a Portuguesa. Depois de perder em casa por 2 a 0 em casa o jogo de ida, a Lusa foi a Araraquara, venceu por 1 a 0, mas acabou eliminada. Com isso, ficará sem nenhuma divisão nacional em 2018, algo que não acontecia há 38 anos, quando optou por não jogar o Robertão.

LEIA TAMBÉM: Em 1996, Portuguesa perdia a sua maior chance de glória, dentro e fora de campo

Desde que existe Campeonato Brasileiro (considerando o modelo unificado, a partir de 1959 com a Taça Brasil e Taça Roberto Gomes Pedrosa), a Portuguesa disputou o Robertão em 1967, 1968 e 1969. Será a primeira vez que a Portuguesa não disputa um Campeonato Brasileiro de qualquer divisão por não ter se classificado desde 1970, quando não conseguiu vaga no torneio via Campeonato Paulista. Naquela época, o estadual servia como base para a classificação à competição.

Em 1979 o clube não jogou o torneio nacional, mas por opção: desistiu da disputa por divergências em relação ao regulamento. Os paulistas queriam jogar a partir da terceira fase, e não a segunda, como previa o regulamento, por causa da disputa do torneio Rio-São Paulo daquele ano – que acabaria não acontecendo, no fim.

Rebaixamentos em sequência

Rebaixada da Série A do Campeonato Brasileiro em 2013, naquele escândalo da escalação irregular do meia Héverton, o time embicou para baixo. Em 2014, acabou rebaixada para a Série C com cinco rodadas de antecipação. Em 2015, o time foi rebaixado no Campeonato Paulista. Na Série C, lutou por classificação até o final, mas acabou fora. Em 2016, veio então o rebaixamento, em 19ª lugar. A Lusa jogaria a Série D em 2017.

O ano de 2017 já vinha sendo ruim para a Portuguesa. Na Série A2, o time não só não passou nem perto da classificação entre os quatro primeiros para brigar pelo acesso, como ainda esteve ameaçada pelo rebaixamento. Escapou, terminando em 13º lugar (caíam do 15º ao 20º). Na Série D, a Lusa foi eliminada na primeira fase em um grupo com Villa Nova-MG, Desportiva-ES e Bangu. Em seis jogos, duas vitórias, um empate e três derrotas.

Copa Paulista, a última chance

Sobrou, então, a Copa Paulista, que dá vaga para a Série D. E a campanha estava até animadora. Na primeira fase, classificação em segundo lugar no Grupo 3, atrás apenas do São Caetano. Na segunda fase, nova classificação em segundo lugar, desta vez no Grupo 4, atrás do Linense. Nas quartas de final, a Lusa venceu o Desportivo Brasil em casa, 3 a 1, e empatou fora por 1 a 1. Na semifinal, caiu diante da Ferroviária – 2 a 0 em casa, 1 a 0 em Araraquara.

A Inter de Limeira e Ferroviária começam a decidir a Copa Paulista no próximo sábado, dia 18, às 20h no estádio Major Levy Sobrinho, em Limeira, com transmissão do Fox Sports e a FPF TV (online). O segundo jogo da final é no dia 25 de novembro, o sábado seguinte, no estádio Fonte Luminosa, em Araraquara, às 18h. Novamente com transmissão do Fox Sports e da FPF TV na internet.

Assim, a Lusa terá em 2018 apenas o Campeonato Paulista da Série A2 e a Copa Paulista no seu calendário. Ficará fora de qualquer competição nacional pela primeira vez desde que existe Campeonato Brasileiro. Mesmo nos momentos de crise, o time ainda jogou a Série B, ou no máximo a Série C. A Série D em 2017 já foi inédita e, pelo que mostrou, não parece perto de voltar a disputas de fato por acesso.

A nova realidade

Há seis anos, em novembro de 2011, a Portuguesa era campeã da Série B com o time que ficou conhecido como “Barcelusa”, com Marco Antônio como meia e capitão e Edno no ataque. Em 2017, a Portuguesa termina o ano sem qualquer perspectiva de melhora e com a sensação que não deverá sair do buraco tão cedo.

Parece tomar o caminho do seu rival, Juventus, que está na mesma divisão no Paulista e sem perspectiva de jogar divisões nacionais há anos. Os dois rivais voltarão a se encontrar em 2017 no campeonato estadual e, talvez, seja das poucas alegrias que o torcedor tenha.

A Portuguesa enfrenta agora a dura realidade dos times que só vivem regionalmente, com um calendário sofrível. A Portuguesa parece estar prestes a se tornar um ponto turístico do futebol de antigamente em São Paulo, com as memórias de um time que quase foi campeão brasileiro há 21 anos, em 1996. Agora, é só uma sombra daquilo. E as perspectivas são mesmo terríveis.