Uma das grandes dúvidas com relação à seleção da Espanha é quem serão os atacantes do time comandado por Vicente Del Bosque. Depois das experiências de jogar sem centroavante na Copa do Mundo de 2010 (com David Villa no ataque) e na Eurocopa de 2012 (quando Fàbregas foi falso nove), a Espanha tem uma boa leva de opções para liderar o ataque. Mas a pré-convocação divulgada nesta terça-feira, com 30 nomes, não resolveu a dúvida.

LEIA TAMBÉM: Diego Costa estreou bem quando Espanha e Itália resolveram não jogar nada

A lista tem seis atacantes: Diego Costa, Fernando Llorente, Álvaro Negredo, Pedro, Fernando Torres e David Villa. Destes, Pedro é o mais garantido, até por característica, joga pelo lado do campo. Não há dúvida que estará no elenco dos 23. Diego Costa parece certo também, pelas declarações de Del Bosque e por ter pedido a naturalização do atacante. Mas só estes dois são apostas seguras para a lista final.

Diego Costa faz a melhor temporada da sua vida. Com a saída de Radamel Falcao García, assumiu a função de goleador do time e tem cumprido muito bem. Em 50 jogos nesta temporada, incluindo um pela seleção, fez 36 gols. No Campeonato Espanhol, são 27 gols em 34 jogos, uma marca que o leva a disputar a artilharia com Cristiano Ronaldo e estar à frente de Lionel Messi. Na Liga dos Campeões, onde o time é finalista, são oito gols em oito jogos. Por tudo isso, é um nome praticamente certo entre os 23. A questão será se ele terá lugar no time titular – e parece que terá.

Fernando Torres foi o primeiro dos centroavantes nessa era vitoriosa da Espanha e foi protagonista no título da Eurocopa de 2008, marcando o gol do título. Foi, durante alguns anos, um dos atacantes mais badalados do mundo. Desde a sua transferência para o Chelsea, em 2011, não conseguiu mais manter o nível. Não mais por lesões, como antes, mas por má fase técnica. Melhorou, até, nas últimas temporadas e fez alguns gols importantes nesse tempo – como o gol de empate do Chelsea no 2 a 2 com o Barcelona no Camp Nou, que selou a passagem do time à final da Liga dos Campeões de 2011/12.

LEIA TAMBÉM: Inglaterra aposta em base jovem para Copa de 2014, mas pensando em 2018

O atacante não consegue nem manter a sua posição no Chelsea. Aliás, um dos grandes problemas do time tem sido o ataque, tanto que José Mourinho procura um centroavante para a próxima temporada e Diego Costa é dado como certo por alguns veículos. Justamente um concorrente na seleção. Pela temporada, Torres não merece estar na Copa. Mas tem a história a seu favor, inclusive com o bom desempenho na Copa das Confederações, sendo artilheiro com cinco gols. Nesta temporada, tem 41 jogos e 11 gols, além de seis assistências.

David Villa foi essencial na Campanha do título mundial em 2010, sendo a principal referência ofensiva do time. Depois de três temporadas de sucesso em Barcelona, deixou o clube na temporada passada para integrar o elenco do Atlético de Madrid. Tem atuações irregulares e perdeu a posição de titular ao longo da temporada. Em 47 jogos, incluindo dois pela seleção, fez 15 gols e cinco assistências. Pela temporada, não merecia estar no grupo, mas é um jogador que responde muito bem quando atua com a camisa da Espanha, além de ter a confiança de Del Bosque. Situação parecida com a de Fernando Torres.

Álvaro Negredo começou a temporada com tudo. Trocou o Sevilla pelo Manchester City e marcou gols importantes, inclusive pela seleção espanhola. Parecia caminhar para conquistar o seu lugar, mas acabou caindo de produção, perdeu a posição para Dzeko no Manchester City e na seleção também, especialmente com o desempenho de Diego Costa. Em 53 jogos, marcou 24 gols.

LEIA TAMBÉM: A pré-convocação da Alemanha surpreendeu, mas os novatos devem ser meros detalhes

Fernando Llorente perdeu espaço na seleção espanhola depois do seu último ano na Athletic Bilbao, que ficou na reserva – além da opção de Del Bosque por jogar sem um centroavante no ataque da Roja. Só que a temporada do atacante na Juventus, seu novo clube, foi excelente. Foram 47 jogos e 17 gols marcados, sendo 15 deles em 33 jogos da Serie A. Formou uma dupla de ataque mortal ao lado de Carlos Tevez. Passou a ser especulado novamente na seleção e ganhou uma vaga entre os 30. Pela temporada, merece estar na lista final. O que conta negativamente para o jogador é que seu histórico pela seleção espanhola não é muito bom e a concorrência, como vemos, é acirrada.

A lista final será divulgada no dia 25 de maio. Só então teremos certeza sobre as escolhas de Del Bosque. E se o ataque é uma dor de cabeça para escolher, o meio-campo não é muito diferente. Nos nomes divulgados, muitas dúvidas. São eles: Sergio Busquets, Santi Cazorla, Cesc Fàbregas, Andrés Iniesta, Ander Iturraspe, Koke, Javi Martínez, Juan Mata, Jesus Navas, David Silva, Thiago Alcantara, Xabi Alonso e Xavi.

Busquets, Iniesta, Xavi, David Silva, Xabi Alonso certamente estarão na lista final. Javi Martínez e Cesc Fàbregas também são nomes certos, apesar do pouco tempo em campo do primeiro e da irregularidade do segundo. Ander Iturraspe fez ótima temporada, mas não deve estar na lista final. Thiago Alcântara é um nome que dá para apostar que estará e só não deve ficar na lista se não se recuperar da lesçao. Jesus Navas também deve estar na lista pela sua característica, que pode ser importante para o time.

LEIA TAMBÉM: Estes são os 23 convocados de Felipão para a Copa do Mundo

Restam, então, Koke, Cazorla e Mata. Koke faz temporada fabulosa pelo Atlético de Madrid, um meio-campista capaz de fazer muito pelo time, dar criatividade, dinâmica e é um potencial substituto de Xavi, assim como Thiago Alcântara. Mata teve uma temporada irregular e alternou bons e maus momentos, trocando de clube no meio do caminho. Cazorla fez boa temporada no Arsenal, talvez sendo o melhor jogador do time, mas enfrenta uma concorrência dura. Ao menos um deles estará fora da lista final. E ainda podemos lembrar que jogadores como Javi García, do Manchester City, e Gabi, do Atlético de Madrid, nem ficaram entre os 30 e tinham qualidade para disputar essas vagas.

No gol, Valdés, machucado, perderá a Copa e em seu lugar não há muita dúvida: vai David De Gea, do Manchester United, que merece a convocação. Na defesa, três laterais direitos foram chamados: Juanfran, do Atlético de Madrid, Carvajal, do Real Madrid, e Azpilicueta, do Chelsea. Um deles ficará fora.

Veja a lista:

Goleiros: Iker Casillas (Real Madrid), David de Gea (Manchester United-ING) e Pepe Reina (Napoli-ING);

Defensores: Jordi Alba (Barcelona), Raúl Albiol (Napoli-ITA), Cesar Azplicueta (Chelsea-ING), Dani Carvajal (Real Madrid), Juanfran (Atlético de Madrid), Alberto Moreno (Sevilla), Gerard Piqué (Barcelona) e Sergio Ramos (Real Madrid);

Meio-campistas: Sergio Busquets (Barcelona), Santi Cazorla (Arsenal-ING), Cesc Fàbregas (Barcelona), Andrés Iniesta (Barcelona), Ander Iturraspe (Athletic Bilbao), Koke (Atlético de Madrid), Javi Martínez (Bayern de Munique-ALE), Juan Mata (Manchester United-ING), Jesus Navas (Manchester City-ING), David Silva (Manchester City-ING), Thiago Alcântara (Bayern de Munique-ALE), Xabi Alonso (Real Madrid) e Xavi (Barcelona);

Atacantes: Diego Costa (Atlético de Madrid), Fernando Llorente (Juventus-ITA), Alvaro Negredo (Manchester City-ING), Pedro (Barcelona), Fernando Torres (Chelsea-ING) e David Villa (Atlético de Madrid).

VOCÊ PODE GOSTAR TAMBÉM:

>>>> Comentamos a convocação de Felipão para a Copa do Mundo

>>>> O chefe da delegação brasileira é lobista da bancada da bola

>>>> A primeira seleção desde 1930 sem jogador de time paulista: curiosidades sobre a convocação da seleção