É evidente que Bastian Schweinsteiger tem aproveitado bastante seu tempo na MLS. No Chicago Fire desde março, o meia tem sua estrela ainda mais reluzente na liga norte-americana, onde é um dos jogadores com salários mais altos. Mas não é nesse sentido que Schweini tem curtido estar nos Estados Unidos. É no sentido de que lá, ele tem se reinventado depois de uma temporada de escanteio no Manchester United e até se aventurado em outros esportes americanos. Na última terça-feira, o alemão mostrou que além de um jogador designado, ele poderia ser também um pitcher designado, fazendo o primeiro arremesso do jogo entre Chicago Cubs e Philadelphia Phillies. Basti, por sinal, não foi o único jogador da MLS nesta semana a se arriscar como arremessador na MLB. David Villa também o fez, só que pelo New York Yankees.

VEJA TAMBÉM: Em nova posição, Schweinsteiger se reinventa na MLS e prova que tem muita lenha para queimar

A noite de terça foi um pouco diferente no Wrigley Field. Os torcedores que foram prestigiar o Cubs, time da casa, acabaram se deparando com a presença de um campeão mundial do futebol. E a participação, já que ele vestiu a camisa da equipe de beisebol de Chicago e fez o arremesso cerimonial. E não é que ele até que não foi tão mal? Foram dedicados alguns minutos de treino com companheiros de time durante o treinamento do Fire para que o lançamento saísse quase que na medida (não foi tão preciso quanto os seus usando chuteiras, porque foi meio alto). Bom, pelo menos ele foi melhor do que seu colega de seleção Mario Götze quando ele fez um arremesso cerimonial pelo LA Dodgers, em 2015. Mas talvez não tenha sido melhor que seu adversário na MLS que joga pelo New York City.

Villa estendeu seu contrato com o time novaiorquino até 2018 recentemente e foi tentar provar suas habilidades no beisebol no jogo entre New York Yankees e Toronto Blue Jays, no Yankee Stadium. O arremesso do atacante espanhol foi um pouco mais perto da zona de strike do que o de Schweinsteiger, mas o fato do alemão ter feito o lançamento de cima do montinho deve ser levado em consideração. Quem dos dois fez melhor, no fundo, tanto faz. O que valeu mesmo foi ver como os dois campeões de Copa do Mundo estão passando o tempo nos Estados Unidos. Especialmente Basti, que juntou seu carisma ao do carismático time que venceu a World Series da temporada passada após 108 anos.