A campanha do River Plate na Superliga ainda é muito aquém do que se esperava de um time do seu porte e, especialmente, do seu investimento, mas a fase melhorou. Neste domingo, o time emplacou sua terceira vitória consecutiva e contou com uma atuação de destaque do seu camisa 10. Gonzalo Martínez, também chamado de Pity Martínez, foi decisivo: marcou um gol de pênalti e participou diretamente dos outros dois gols na vitória por 3 a 1 sobre o Defensa y Justicia, fora de casa.  Foi a terceira vitória seguida na Superliga Argentina, a quarta seguida se considerarmos a Supercopa Argentina, contra o rival Boca Juniors.

LEIA TAMBÉM: Pavón se livrou de quatro marcadores e ofereceu uma assistência assombrosa pelo Boca Juniors

O River busca uma recuperação para tentar vaga em Copas continentais no próximo ano. E conta com o seu camisa 10, que veste o número histórico usado por tantos craques do passado do clube, como Ariel Ortega e o seu treinador, Marcelo Gallardo. O que preocupa os torcedores é que o contrato do jogador vai até junho de 2020. O próprio jogador, porém, já indicou que quer renovar e tanto ele quanto o clube trabalham para isso. “A diretoria já sabe há seis meses que quero renovar e estão falando com o meu representante. Não há nenhum bloqueio. Se o clube acredita que tem que subir a cláusula [de rescisão], não vamos ter problemas e se falará em particular”, afirmou o jogador. Atualmente, a cláusula de rescisão do jogador de 24 anos é de € 15 milhões.

Ao jornal Clarín, um dirigente do River mostrou otimismo. “Esta semana nos reuniremos para falar, mas não acredito que haja dificuldades como se está falando”, disse o dirigente ao jornal argentino. O rumor é que o seu empresário não quer aumentar a cláusula de rescisão, porque acredita que isso possa dificultar a sua venda a algum clube europeu. “Ano passado eu fiquei para jogar a Libertadores e ao fim deste torneio se verá o que é melhor para o clube e para mim. Eu estou no River e quero seguir dando coisas ao clube e continuar ganhando torneios. Não é fácil ficar na história do clube e este grupo vem conseguindo”, disse Martínez.

A vitória levou o River Plate aos 29 pontos em 21 jogos, em 14º na tabela. Ainda está muito, muito distante das posições de classificação à Libertadores, já que apenas os quatro primeiros colocados vão ao torneio. Não é uma diferença inalcançável, porém. O Godoy Cruz é atualmente o quarto colocado com 37 pontos, oito a mais que o River, a seis jogos do fim. Muito difícil, mas ainda possível.

Já a classificação à Sul-Americana é bem mais fácil: do quinto ao 10º vão ao segundo torneio continental da América do Sul. O Estudiantes, atual 10º colocado, tem 32 pontos, três a mais que o River. “A cabeça está melhor e os triunfos nos dão confiança. Seguir ganhando nos faz bem. Agora queremos chegar às posições de classificação de Copas. Se for a Libertadores, melhor”, disse o jogador.

O River Plate já é um time bem diferente do início do ano. E isso é importante especialmente quando falamos de Libertadores. Nesta quinta-feira, o time faz o seu segundo jogo no torneio contra o Independiente Santa Fe, da Colômbia, jogando em casa. Precisa dos três pontos, depois de ver o Flamengo vencer o Emelec fora de casa. Com Pity Martínez em boa fase, é algo que se tornou mais possível – e muito mais provável.