Um dos argumentos costumeiramente usados para defender a popularidade do futebol aborda a sua simplicidade. Gostam de enfatizar a maneira como o esporte não precisa de grandes recursos e pode ser praticado em todos os cantos. Bem, algumas vezes até mesmo competições profissionais se parecem com a várzea ou o interclasse – e, não, não exatamente em um bom sentido. Mostra disso veio da A-League, o Campeonato Australiano.

Em certo momento do jogo entre Melbourne Victory e Central Coast Mariners, um chute pelo lado de fora da rede a desprendeu da trave. Qual a solução? Aquela gambiarra caseira, com um rolo de fita adesiva fazendo o serviço. O goleiro Ben Kennedy, do Central Coast, era um dos responsáveis pelo “gato”. No entanto, não tinha tamanho suficiente para ajeitar as redes no travessão. Foi quando o atacante Kosta Barbarouse virou “herói”: em cena bem bisonha, o camisa 9 foi erguido por um membro da comissão técnica – com um movimento digno de rúgbi. A galera foi ao delírio. Ao final, com as redes arrumadas, o Melbourne Victory as balançou mais duas vezes e venceu por 5 a 2.