Vamos deixar um pouco de lado todos os debates referentes ao que acontece fora de campo, por mais que seja algo indissociável. Limitando apenas ao que ocorre dentro das quatro linhas, mesmo os detratores precisam tirar o chapéu: o RB Leipzig vive um excelente início de Bundesliga. Talvez nem mesmo os próprios torcedores esperassem uma largada tão consistente dos Touros Vermelhos. Em seis rodadas, são três vitórias e três empates. A invencibilidade de seis partidas logo de cara é algo inédito na história da Bundesliga para um clube que acabou de conquistar o acesso. E, nesta sexta, o triunfo por 2 a 1 sobre o Augsburg colocou os novatos provisoriamente na terceira colocação do campeonato.

VEJA TAMBÉM: RB Leipzig sobe à Bundesliga reavivando lado oriental, mas acusado de sufocar times tradicionais

Obviamente, a força que se apresenta em campo depende diretamente do investimento da Red Bull em contratar jogadores. E a empresa deu o seu jeitinho de tornar a filial de Leipzig ainda mais forte, buscando três reforços na matriz de Salzburg para esta temporada. De qualquer maneira, a qualidade do jogo não representa apenas o dinheiro, mas também um ideal tático elaborado pelo técnico Ralph Hasenhüttl, trazido do Ingolstadt. O RasenBallsport conta com uma equipe muitíssimo bem organizada, como bem demonstrou em seu principal resultado, quando bateu o Borussia Dortmund. Além disso, costuma atuar de maneira vertical contra a maioria dos adversários.

Dono da sexta menor média de posse de bola, o RB Leipzig, em compensação, possui o sexto maior número de finalizações. O time precisa de 24,3 passes a cada arremate na competição, a quinta menor marca. Borussia Dortmund e Bayern de Munique, por exemplo, têm suas médias entre 36 e 37 passes por finalização. Além disso, os Touros Vermelhos também entre os líderes em roubadas de bola, o que os torna a terceira equipe que menos dá espaço aos adversários chutarem.

Deixando de lado os números, o que vale é o resultado que se imprime no campo. E, mesmo quando empatou, o Leipzig teve uma postura mais ofensiva que os seus adversários, arriscando mais a gol. Em um campeonato equilibrado como o Alemão, qualquer deslize no pelotão principal (ou seja, da segunda colocação para baixo) tem o seu preço. Ainda assim, o clube da Red Bull vem apresentando regularidade e qualidade para já sonhar com as competições europeias. Se não for a Champions, ao menos a Liga Europa, o que já seria satisfatório para quem acabou de sair da segunda divisão.

E o mais importante, dentro do planejamento do RasenBallsport, é que o atual elenco tem totais condições de evoluir nos próximos anos. A espinha dorsal da equipe é formada por jovens jogadores, boa parte abaixo dos 24 anos. Emil Forsberg e Marcel Sabitzer formam uma excelente dupla de meias. Já no ataque, quem vai merecendo os holofotes é Timo Werner, visto por alguns como o cara que vai suprir a lacuna de Miroslav Klose na seleção alemã. E opções não faltam à linha de frente. Yussuf Poulsen é o companheiro do alemão, mas também há Davie Selke e Oliver Burke como alternativas interessantes.

Pelo projeto que representa, dentro do próprio contexto do futebol alemão, soa até natural que o RB Leipzig receba a rejeição das outras torcidas – um assunto passível de múltiplas visões, sobre o qual já nos debruçamos aqui na Trivela. Mas, por aquilo que fazem em campo, os Touros Vermelhos podem muito bem servir de parâmetro. Uma equipe bem montada e com um padrão de jogo que geralmente agrada a maioria dos espectadores. Só não atrai mesmo aqueles que bradam contra as condições vistas como desiguais, dada à Red Bull. Para a nova torcida que se fideliza na antiga Alemanha Oriental, entretanto, o futebol vistoso é muito bem-vindo.

Chamada Trivela FC 640X63