Sempre que se quer reclamar da péssima mania de ver tudo no Brasil ser empurrado para debaixo do tapete, sem investigações aprofundadas (e não só no futebol), costuma-se dizer que esta é a “república das bananas”. Pois bem, na sexta-feira passada, muitos jornalistas holandeses dedicados ao futebol traduziram a expressão: “bananenrepubliek”.

Tudo como referência ao final surpreendente – pelo menos, por enquanto – da polêmica que levara à recomendação do rebaixamento do Twente à segunda divisão. Como tal parecer viera da comissão de licenças da KNVB, a federação holandesa, tudo levava a crer que o clube de Enschede fracassaria no recurso impetrado à própria federação. Pois aconteceu o contrário: na instância final, a comissão jurídica da mesma entidade decidiu que os Tukkers estavam salvos, e disputarão normalmente o Campeonato Holandês da próxima temporada. Sem perda de pontos.

VEJA TAMBÉM: Federação holandesa pede rebaixamento do Twente e cria confusão gigante

Em nota divulgada por meio de seu site, a decisão foi explicada com este início: “Em dezembro de 2015, a comissão de licenças decidiu que o FC Twente só poderia manter a licença caso estivesse completamente quitado com os problemas do passado”. Mas foi a continuação da nota que irritou imprensa e torcidas adversárias: “Nos meses posteriores, seguiram-se mais informações sobre esse passado. A conclusão da comissão jurídica é que, após a decisão de dezembro, o FC Twente já conseguiu limpar completamente seu nome, e que as informações descobertas desde então são uma consequência disso. Por essas razões, a comissão não as incluirá na decisão sobre a manutenção ou não da licença do FC Twente”. Aí, vinha o golpe fatal: “Mesmo assim, a comissão punirá quatro erros cometidos entre dezembro de 2015 e maio de 2016 com uma multa. Dada a gravidade, e o caráter repetido dos erros, a comissão decidiu dar para cada erro a multa mais alta possível, de 45.250 euros, resultando numa multa total de 181 mil euros”. Obviamente, a nota também confirmava o rebaixamento do De Graafschap – que já caíra dentro de campo, derrotado na fase final da repescagem para o Go Ahead Eagles.

Bastou a divulgação da nota, às 14h do horário holandês de sexta passada (9h no horário de Brasília), para a torrente de protestos ter início. Principalmente de jornalistas. Repórter do diário “De Volkskrant”, Willem Vissers foi claro, em reportagem: “O Twente usou dinheiro, e sabia que esse dinheiro provavelmente não lhe pertencia. Agora, não terão propriamente uma punição. Tudo bem, tem a multa de 181 mil euros. Mas não será uma punição propriamente dita. E não acho isso certo”.

VEJA TAMBÉM: De Kabel: os 20 anos de uma briga mal explicada

Freek Jansen, da revista “Voetbal International”, foi lacônico em seu perfil no Twitter: “Que teatrinho…”. Em conversa comigo no Twitter, Joost de Jong, correspondente do jornal “Algemeen Dagblad” no Rio de Janeiro, descreveu a razão da irritação: “É dizer: podem fraudar o que quiserem, que a multa será só de 180 mil euros. Não tem como entender”. Repórter e colunista do jornal “Algemeen Dagblad”, Sjoerd Mossou foi irônico no Twitter com os torcedores do Twente, obviamente comemorando a decisão: “De coração, Tukkers; não me encham o saco nunca mais, agora. A quadrilha trapaceou por tanto tempo, e vai escapar assim. Foi a melhor atuação desde o título da Eredivisie em 2010”.

Ao diretor técnico do De Graafschap, Peter Hofstede, só restou a surpresa diante da decisão inesperada pela manutenção do Twente: “Primeiro, há uma decisão da comissão de licenças. E eu entendi que ali havia gente que sabia do assunto e havia se aprofundado na questão. Mais tarde, isso é ressaltado pela justiça comum. Aí, vem a comissão jurídica da federação, onde eu achei que também havia pessoas inteligentes. Muito me surpreende quando dizem que a comissão de licenças fez tudo errado. Ficamos 27 dias reféns [da decisão]. Não havia definição se jogaríamos na Eredivisie ou na Eerste Divisie (segunda divisão). Nós não esperávamos, acho que ninguém esperava”.

VEJA TAMBÉM: Análise da temporada 2015/16 na Holanda (II – a parte de cima)

Quando esta coluna comentou a decisão da federação sobre o rebaixamento, há um mês e quatro dias, os comentários apontaram a dificuldade de compreensão de posicionamento do colunista. E a reação unanimemente contrária à decisão da federação me dá subsídio para esclarecer: a KNVB errou duplamente. Primeiro, ao decidir punir o Twente com o campeonato já encerrado, e os play-offs contra o rebaixamento já em disputa. Depois, ao não impor a punição mais dura prevista em regulamento ao Twente (a perda da licença profissional, forçando o clube a recomeçar, na quarta divisão, amadora). Afinal de contas, regra é – ou era – regra. Tentando uma terceira via (manter a licença, mas rebaixar o clube à segunda divisão), a entidade quis evitar as consequências pesadas que viriam, como a alteração do resultado final: com a licença cassada, o Twente teria cancelados os resultados da temporada 2015/16, e isso daria o título ao Ajax.

Só que ao fazer isso, a federação apenas causou mais dores de cabeça. Primeiro, porque o Twente exagerou em sua reclamação: na apelação, alegou-se até que o clube da cidade de Enschede “iria à falência” caso tivesse de disputar a segunda divisão, já que não teria dinheiro para continuar saneando as finanças. Depois, porque agora o De Graafschap é que entrará com recurso contra a federação – mesmo sem direito de fazer isso, rebaixado que foi no campo. E finalmente, pela decisão desastrada de minimizar a punição ao Twente: mesmo que o resultado dentro de campo tenha sido mantido (bem ou mal, a equipe garantiu a permanência em campo), toda a fraude nos balanços será repreendida com uma reles multa de 181 mil euros. Pronto. Coisa leniente demais, para os padrões do futebol europeu.

VEJA TAMBÉM: Análise da temporada 2015/16 na Holanda (I – a parte de baixo)

Enfim, o diretor esportivo do Twente, Onno Jacobs, pode se aliviar: “Agora, podemos encerrar esse capítulo feio e colocar uma pedra em cima dele”. Esportivamente, porém, o clube sabe que esta será uma temporada de reconstrução, como reconheceu o técnico René Hake na volta aos treinos, nesta semana: “A meta será permanecer na Eredivisie”. Para que se tenha uma ideia, o destaque Hakim Ziyech nem mesmo esteve com o resto do elenco: afinal, sabe-se que sua saída será uma possível salvação da lavoura.

Todavia, a impressão é que só o Twente tem algo a comemorar. Impressão descrita perfeitamente nas palavras do ex-jogador (do próprio clube, aliás) Youri Mulder, hoje comentarista: “É uma novela enorme, e a KNVB pode assumir a culpa”. Mais do que isso, Joost de Jong sintetizou perfeitamente: “Se algo com o Twente acontecesse aqui no Brasil, diríamos que é a república das bananas. Escapar com uma dívida desse tamanho é absurdo”.