Depois de muito rodar e não convencer, Nicklas Bendtner finalmente se achou. O centroavante não atua mais em uma liga de primeira grandeza, mas vem brilhando no Campeonato Norueguês pelo Rosenborg. Já são oito gols pela liga nacional, um a mais do que marcou em suas últimas cinco temporadas somadas – passando por Arsenal, Juventus, Wolfsburg e Nottingham Forest. E se muita gente (na galhofa) já trata “Lorde Bendtner” como um mito, neste sábado ele foi responsável por uma das cenas mais impagáveis da temporada, na goleada por 4 a 1 sobre o modesto Kristiansund.

VEJA TAMBÉM: “É bom ser Bendtner em qualquer lugar”: O Lord já deixa sua marca no Rosenborg

Líder da Tippeligaen, o Rosenborg recebia em casa um candidato ao rebaixamento. Os alvinegros já venciam por 2 a 1, com o segundo gol anotado em um pênalti convertido por Bendtner, quando tudo aconteceu. Aos 30 do segundo tempo, ótima chance para os anfitriões. O centroavante aparecia livre pelo lado esquerdo, mas Milan Jevtovic resolveu chutar, mesmo com quatro jogadores adversários em sua frente. A finalização saiu mascada, horrível, e por sorte sobrou para Bendtner. O camisa 9 não perdoou, mas nem comemorou. Reclamou que o companheiro não passou para ele. O sérvio deu um abraço como pedido de desculpas e o capitão Matthias Vilhjálmsson tentou SIMULAR UM SORRISO PUXANDO AS BOCHECHAS DO LORDE (desculpe o caps lock, mas era necessário), sem conseguir alegrar o artilheiro.

Pois bem. Saída de bola para o Kristiansund. O Rosenborg rouba a bola. Bendtner pega a sobra na intermediária. Passa pelo primeiro marcador e dá um drible de corpo no segundo. Jevtovic passa livre pelo lado esquerdo da área, só um pouco mais para trás do ponto onde o gol anterior aconteceu. Em um lance parecido, o Lorde ensina o seu jovem discípulo: rola para o companheiro e vê o sérvio acertar o chute cruzado no canto, fechando a goleada em 4 a 1. Nem o narrador e muito menos Jevtovic conseguem esconder a gargalhada. Bendtner tinha razão.