Escolher os melhores jogadores do ano é fácil. Basta pegar os sujeitos mais decisivos dos times mais importantes e pronto. Tem-se uma lista de vários craques, atletas de talento indiscutível que qualquer torcedor de futebol conhece. O problema é que esse critério favorece claramente os atacantes ou meias ofensivos. Afinal, eles estão nas jogadas perigosas, eles são focalizados pelas câmeras pulando, agitando os braços, arriscando uma dancinha ou fazendo coraçãozinho com as mãos para comemorar os gols.

Então, na nossa retrospectiva, resolvemos montar um time dos melhores. Aí é complicado. Em algumas posições falta jogador. Em outras, sobram. e é preciso juntar todos de forma a montar um time que, teoricamente, poderia entrar em campo para jogar.

Aí vão os selecionados pela Trivela para o futebol internacional (em breve publicamos a do futebol nacional). Foi difícil chegar aos nomes, e provavelmente essa lista, se for refeita amanhã, depois de amanhã ou semana que vem, aparecerá diferente. por exemplo, as contusões fizeram que deixássemos Messi de fora. Mas será que ele não jogou o suficiente para entrar quando esteve saudável?

Bem, veja como ficou nosso time e diga qual o seu. Só lembrando que é uma eleição do ano de 2013 (ou seja, juntando a segunda metade da temporada passada e a primeira metade da atual). Deve ser considerado o que os jogadores fizeram durante todo o ano (ou seja, Neymar praticamente não tinha chances, pois só jogou metade desse período).

GOLEIRO

Manuel Neuer (ALE/Bayern de Munique)

Não foi um ano com unanimidade no gol. Weidenfeller e Buffon tiveram boas temporadas, Casillas perdeu espaço para Diego López, Victor Valdés ameaça dar uma arrancada que pode dar a ele o título no ano que vem. Mas, no balanço geral, Neuer foi o goleiro mais sólido do ano todo.

Neuer bloqueia arremate de Lewandowski (AP Photo/Alastair Grant)

Neuer bloqueia arremate de Lewandowski (AP Photo/Alastair Grant)

DEFENSORES

Philipp Lahm (ALE/Bayern de Munique)

Difícil eleger um lateral-direito. A posição anda carente no futebol mundial e mesmo grandes clubes europeus (Manchester City, Chelsea, Borussia Dortmund, Real Madrid) não têm uma grande figura naquela parte do campo. Com Daniel Alves em má fase e Rafael sofrendo com contusão no segundo semestre, sobrou para Philipp Lahm devido à reta final da temporada 2012/13. Ele virou volante sob o comando de Guardiola e metade do seu ano foi no meio-campo, mas acaba ganhando por eliminação.

Italy Germany Soccer

Giorgio Chiellini (ITA/Juventus)

O pilar do trio defensivo da Juventus, um dos mais seguros da Europa e que se transformou na defesa da seleção italiana.

Chiellini comemora gol no clássico contra o Milan (AP Photo/Massimo Pinca)

Chiellini comemora gol no clássico contra o Milan (AP Photo/Massimo Pinca)

Thiago Silva (BRA/Paris Saint-Germain)

É tão grande sua autoridade em campo que, logo em sua primeira temporada no PSG, já ganhou a braçadeira de capitão e ergueu a taça da Ligue 1. Na partida contra o Barcelona nas quartas de final da Champions League, anulou Messi de tal forma que até Joey Barton, seu desafeto na França, teve de se dobrar ao zagueiro brasileiro.

Thiago Silva desarma Messi (AP Photo/Christophe Ena)

Thiago Silva desarma Messi (AP Photo/Christophe Ena)

Marcel Schmelzer (ALE/Borussia Dortmund)

Jogador seguro pela esquerda, também aparece bem na frente com seus cruzamentos e cobranças de falta. Teve problemas físicos a partir de novembro, mas foi figura importantíssima na campanha que levou o Dortmund à final da Liga dos Campeões

Schmelzer comemora gol

Schmelzer comemora gol

MEIO-CAMPISTAS

Yaya Touré (CMA/Manchester City)

O ano do Manchester City é de altos e baixos, mas Yaya Touré é um monstro sempre. Lidera o meio-campo, marca e inicia as jogadas ofensivas. O marfinense é o termômetro de sua equipe.

Yayá Touré marcou um belo gol contra o Chelsea (AFP PHOTO/ANDREW YATES)

Yayá Touré marcou um belo gol contra o Chelsea (AFP PHOTO/ANDREW YATES)

Marco Reus (ALE/Borussia Dortmund)

Chegou a Dortmund para substituir Kagawa, e foi tão bem que ofuscou até o ídolo (ou melhor, ex-ídolo) Götze no primeiro semestre desse ano. No segundo semestre, assumiu definitivamente o papel de grande condutor do ataque da equipe aurinegra, que continua bastante produtivo mesmo com a má fase na Bundesliga.

Reus comemora gol pelo Borussia Dortmund (AP Photo/Frank Augstein)

Reus comemora gol pelo Borussia Dortmund (AP Photo/Frank Augstein)

Andrés Iniesta (ESP/Barcelona)

O Barcelona como um todo deu uma murchada com a derrota contundente para o Bayern de Munique na Liga dos Campeões 2012/13 e com essa tentativa de adaptar seu estilo na temporada 2013/14. Isso, somado ao fato de os brasileiros ficarem mais atentos a Neymar por motivos lógicos, o resto do time não tem sido observado tanto. Mas Iniesta vive uma grande fase. Ele tem de compensar a queda de rendimento físico de Xavi e Messi para manter o dinamismo do meio-campo. E consegue, tanto que é o jogador que mais troca passes com Neymar na atual temporada. Pela seleção espanhola, foi eleito o segundo melhor jogador da Copa das Confederações.

Iniesta é o grande diferencial na Roja de Del Bosque  (AP Photo/Victor R. Caivano)

Iniesta é o grande diferencial na Roja de Del Bosque (AP Photo/Victor R. Caivano)

ATACANTES

Cristiano Ronaldo (POR/Real Madrid)

O grande nome de 2013. Faltaram conquistas ao português, mas ele parece estar convivendo melhor com o fato de muita gente preferir Messi. Assim, atua mais solto, como se não tivesse que provar algo. O que contribuiu para fazer seu futebol crescer. Concentrou-se em carregar Portugal nas costas quando a classificação para a Copa estava realmente ameaçada e ainda tem salvado um Real Madrid que anda meio titubeante nesta temporada.

Cristiano Ronaldo comemora um de seus gols em Solna (AP Photo/Frank Augstein)

Cristiano Ronaldo comemora um de seus gols em Solna (AP Photo/Frank Augstein)

Zlatan Ibrahimovic (SUE/Paris Saint-Germain)

A posição de atacante centralizado foi dura pelo excesso de concorrência. Messi é o craque da década, mas sofreu com contusões no final da temporada 2012/13 e não está muito melhor na atual. Falcao García foi um monstro no Atlético de Madrid, mas tem sido “apenas” um ótimo atacante no segundo semestre, pelo Monaco. Luis Suárez vem na melhor fase de sua carreira, mas talvez falte ainda alguma conquista (individual ou de sua equipe) para coroar isso. Nos critérios de desempate, vamos de Ibrahimovic. É verdade que ele continua falhando nas retas finais de Liga dos Campeões, mas fez sua parte nas Eliminatórias (marcou dois, não é culpa dele que Cristiano Ronaldo fez três no Suécia x Portugal decisivo) e domina os adversários no futebol francês (onde é possível fazer uma comparação direta com Falcao García).

Ibrahimovic destacou-se na temporada com golaços peculiares (AP Photo/Geert Vanden Wijngaert)

Ibrahimovic destacou-se na temporada com golaços peculiares (AP Photo/Geert Vanden Wijngaert)

Franck Ribéry (FRA/Bayern de Munique)

É o craque maior do maior campeão do ano. Ribéry mereceu o prêmio de melhor jogador da temporada europeia em 2012/13 e deve ser visto como um candidato bastante viável para a Bola de Ouro. Sua habilidade e verticalidade pela esquerda, combinada com a habilidade de verticalidade de Robben pela direita, foram os fatores decisivos para o Bayern de Munique passar por cima do Barcelona e, depois, superar o rival Dortmund na decisão da Champions League.

Ribéry

TÉCNICO

Diego Simeone (ARG/Atlético de Madrid)

O grande vencedor foi Juup Heynckes, e o time que ele montou serviu de base para a nossa seleção. Então como temos a ousadia de não colocar o alemão como melhor técnico do ano? Bem, não tem um motivo claro. Podemos alegar que ele só trabalhou na primeira metade de 2013 (aposentou-se depois disso) e que isso o torna inelegível. Mas não é bem verdade. A questão é que essa foi a brecha para mencionarmos o grande trabalho de Simeone no Atlético de Madrid, pegando um time todo bagunçado e levando ao título da Liga Europa em 2011/12, depois construindo um rival quase à altura de Barcelona e Real Madrid com recursos muito menores.

Diego Simeone observa o Atlético de Madrid durante partida da Liga dos Campeões (AP Photo/Daniel Ochoa de Olza)

Diego Simeone observa o Atlético de Madrid durante partida da Liga dos Campeões (AP Photo/Daniel Ochoa de Olza)