O fracasso da Itália na disputa por uma vaga na Copa do Mundo de 2018 fez com que o técnico Giampiero Ventura perdesse seu emprego, em novembro. Depois disso, a Federação Italiana (FIGC) ainda procura um treinador. E um nome conhecido do futebol do país se candidatou: Roberto Mancini.

LEIA TAMBÉM: Balanço de inverno do Campeonato Italiano, parte 1

Os grandes favoritos ao cargo parecem ser Antonio Conte, Carlo Ancelotti e o próprio Roberto Mancini. O técnico, que atualmente dirige o Zenit, da Rússia, deu entrevista ao jornal Gazzetta dello Sport e falou sobre o desejo de estar à frente da seleção do país no futuro.

“ Eu tenho um sonho, de vencer como técnico o que eu não consegui como jogador: uma Copa do Mundo”, revelou o treinador, ex-atacante que atuou pela Azzurra. “Eu estou trabalhando em campo nos últimos 40 anos, como jogador e técnico. Além disso, sou jovem, eu posso sempre retornar ao trabalho com clubes depois da seleção”.

“Eu trabalhei em grandes clubes e venci. Treinar a seleção nacional é algo bonito. Seria uma honra, um motivo de orgulho. E ganhar uma Copa do Mundo ou Eurocopa seria ainda mais”, afirmou Mancini. “Há bons jovens lá, eu gosto de [Andrea] Belotti, [Lorenzo] Pellegrini e [Alessio] Romagnoli, que ainda podem se desenvolver muito. E mais jogadores estão surgindo toda temporada”, afirmou ainda o treinador.

“Os italianos têm algo mais. O material está lá para fazer um bom trabalho, talvez tenhamos que dar um método comum para todos os times de categorias de base, como acontecia quando eu estava lá [como jogador]”, analisou.

“Eu também gostaria de ver empregos para ex-jogadores, mas não apenas por serem quem são. Apenas aqueles com algo a entregar, com paixão e carisma”, disse Mancini. “E eles teriam que estar em cargos compatíveis com seu conhecimento e sua experiência, os símbolos não ajudam mais”.

Mancini inclusive já tratou de tirar um problema da frente: o salário. Na Europa, os clubes pagam significativamente mais que as seleções nacionais, ao contrário do que acontece na América do Sul. Mas isso não o impediria de aceitar o cargo. “Dinheiro não seria um problema. Vamos deixar isso claro: eu tenho contrato com o Zenit, que está indo muito bem”, disse.

Roberto Mancini foi um grande atacante nos anos 1980 e 1990. Começou no Bologna, passou pela Sampdoria, campeã italiana de 1991, e teve seu último grande momento na Lazio. Depois, ainda passou por empréstimo no Leicester City, em 2001, antes de encerrar a carreira. Jogou na seleção italiana de 1984 a 1994.

Em 2001 iniciou a sua carreira como técnico na Fiorentina e depois passou por Lazio, Internazionale, Manchester City, Galatasaray, voltou à Inter e desde 2017 está no Zenit. Aos 53 anos, Mancini sente ter a qualidade para levar de novo a Itália a um lugar de destaque no futebol de seleções.