Arsenal, Chelsea e Liverpool. Eis os grandes vencedores da rodada desta quarta-feira na Premier League. Nenhum dos três entrou em campo, é verdade. Mas todos eles acabaram beneficiados com os tropeços de Manchester City e Everton. Os dois membros do Top Four entraram em campo como francos favoritos, jogando em casa contra times que brigam contra o rebaixamento. Pois a zebra imperou. E os tropeços da dupla só garantiram o deleito dos rivais que assistiram às partidas.

A derrota do Everton por 3 a 2 em Goodison Park espanta pelo retrospecto do time. Vindos de seis vitórias consecutivas, os Toffees só tinham sofrido um revés em casa e, donos da segunda melhor defesa da Premier League, tinham tomado três ou mais gols em um jogo contra Liverpool e Manchester City. Entretanto, o resultado é bastante justificável pelo embalo do Crystal Palace de Toni Pulis. São cinco vitórias consecutivas, algo que apenas o Liverpool conta atualmente. E os londrinos sempre estiveram à frente no placar.

Já o Manchester City pode lamentar, e muito, o empate por 2 a 2 com o Sunderland, lanterna do campeonato. Assim como já tinha acontecido na final da Copa da Liga Inglesa, os Citizens deixaram os Black Cats crescerem no jogo. Abriram o placar com Fernandinho, mas tomaram a virada com dois tentos de Connor Wickham. E só buscaram um pontinho graças à falha clamorosa de Vito Mannone no fim, que foi com a mão mole e deixou que Nasri marcasse. Três pontos que eram consideradas como certas pela torcida azul.

Com um jogo a menos, o City não alcança o Chelsea nem se vencer o duelo que falta, enquanto ficará a três pontos do Liverpool mesmo se tirar o prejuízo neste compromisso. Já o Everton desperdiça a vantagem que tinha sobre o Arsenal. Com o mesmo número de partidas, os Gunners estão com um ponto a mais e uma tabela mais fácil pela frente. Os Citizens podem chorar pela distância que ficaram na briga pelo título, enquanto os Toffees têm todo o direito de reclamar desse jogo se não forem à Champions. Aos outros, apenas as risadas.