Real Madrid e Valencia faziam um encontro bastante equilibrado. Os valencianos foram melhores no primeiro tempo, mas os madridistas reagiram e dominavam no segundo. Até que, a dois minutos do fim, Ronaldo recebeu, ajeitou a bola com a mão (o juiz não percebeu), cortou Cañizares e só não fez o gol porque foi calçado pelo goleiro ‘che’. O próprio Ronaldo cobrou o pênalti… para fácil defesa de Cañizares. Foi o lance decisivo para decretar o 0 a 0 final no duelo de vice-líderes do Campeonato Espanhol.

O técnico Juan Ramón López Caro surpreendeu ao escalar o time madridista com Raúl de titular, Diogo no meio-campo e o trio Cassano-Ronaldo-Robinho no banco de reservas. A inovação não se mostrou das mais felizes, pois o time não tinha contundência nas ações ofensivas e caía facilmente na armação defensiva do Valencia.

O time da casa confiava nas movimentações de Ângulo, Miguel e Regueiro pelas alas, Aimar dando brilho no meio e Villa de referência no ataque. O perfil cínico do time, que dá espaço ao adversário em aparente defensivismo e parte em ações rápidas e certeiras no ataque era o de sempre. Porém, não conseguiam se colocar em oportunidades muito boas para o arremate. Ainda assim, podem reclamar um pênalti de Sérgio Ramos ignorado pelo árbitro.

No segundo tempo, o Real Madrid melhorou com aumento da movimentação ofensiva. Após jogada de Zidane, Júlio Baptista obrigou Cañizares a grande defesa. Depois, Ronaldo, Cassano e Robinho foram gradualmente colocados em campo por López Caro.

O empate parecia provável até Ronaldo ser derrubado na área pelo goleiro valenciano. Depois da cobrança, virou uma certeza. E o que poderia ser a redenção do brasileiro diante da torcida se transformou em mais um motivo para reclamar do atacante. Bom para o Barcelona, que pode abrir 12 pontos para os vice-líderes.

Veja os resultados deste sábado no Campeonato Espanhol:

Espanyol 2×0 Celta
Deportivo La Coruña 0x1 Real Sociedad