O Uruguai se impôs diante dos donos da casa para avançar como primeiro colocado no grupo A da Copa do Mundo. O jogo que abriu a terceira rodada teve Uruguai e Rússia modificados, já pensando nas oitavas, mas o Uruguai se impôs até com certa facilidade. Venceu por 3 a 0, sem passar sufoco, e garantiu ficar em primeiro lugar. No seu primeiro desafio de nível mais alto, o time russo não conseguiu fazer muito. O Uruguai se impôs de uma maneira implacável. Foi a vitória mais tranquila do Uruguai nesta Copa.

LEIA TAMBÉM: Contos Russos #12 Panamá? Problema é a Polônia

Mudanças

O técnico Óscar Tabárez fez algumas alterações no time. Descansou o zagueiro José Giménez e colocou em campo Sebastian Coates. Também tirou o lateral direito Guillermo Varela e levou a campo Diego Laxalt, um meia ofensivo, mas que também joga como ela. Ele foi lateral esquerdo. Martín Cáceres, lateral esquerdo nos dois primeiros jogos, foi lateral direito desta vez. Mudou também o meio-campo. Lucas Torreira ganhou um lugar no time, com a saída de Cristian Cebolla. Mudou, portanto, a configuração tática. Se imaginou pela escalação uma linha de três zagueiros, mas em campo o Uruguai jogou no 4-4-2, com um losango no meio-campo e os dois atacantes na frente.

Na Rússia, alguns jogadores foram poupados. Zhirkov, segundo o técnico Stanislav Cherchesov, estava sentindo uma lesão e ficou fora da partida. Golovin, um dos principais jogadores do time, também ficou fora, poupado, assim como Mário Fernandes. As mudanças tornaram a Rússia muito mais fraca. Ao mesmo tempo, o Uruguai seguiu muito forte.

Expulsão decisiva

O lateral direito Igor Smolnikov foi quem mais sofreu com as mudanças uruguaias. Tomou amarelo aos 28 minutos. O Uruguai forçou um pouco por ali ainda, com Laxalt fazendo nova jogada e tomando mais uma falta para cartão. O lateral direito foi expulso, o que complicou e condicionou demais o jogo. Eram 32 minutos do primeiro tempo e o técnico russo, Cherchesov, decidiu poupar aquele que vinha sendo o melhor jogador do time, já que o jogo parecia perdido de vez: tirou Cheryshev, recompôs a defesa com Mário Fernandes. A Rússia já tinha dificuldades até ali mesmo com 11 jogadores. Com 10, o Uruguai pareceu ficar muito confortável para dominar e controlar o jogo, sem nem fazer força.

O físico não pesou

A Rússia passou por cima de adversários com uma imposição física grande nos dois primeiros jogos, contra Arábia Saudita (com alguns jogadores sofrendo com o Ramadã, que terminou um dia antes da estreia na Copa). Contra o Egito, os russos também se impuseram com uma facilidade até assustadora. Contra o Uruguai, porém, a coisa foi diferente. O time russo é forte, mas o uruguaio também. Talvez até por isso o Maestro Tabárez tenha escolhido poupar alguns jogadores e trazer outros com o físico mais descansado para bater de frente com a Rússia. Isso, somando ao nível muito maior dos sul-americanos, tornou o jogo muito mais fácil para o Uruguai.

Os gols

Logo a nove minutos, o Uruguai fez a Rússia pagar caro por um erro. O time russo saiu jogando errado, Suárez tentou o passe para o meio, a zaga tirou e Betancur ia chutar, mas foi derrubado fora da área. Luis Suárez cobrou, rasteiro, no canto de Akinfeev, e marcou: 1 a 0.

O Uruguai ampliou o placar aos 23 minutos. Depois de cobrança de escanteio, a zaga russa afastou a bola e Laxalt pegou o rebote e chutou para o gol. A bola desviou em Cheryshev e matou o goleiro Akinfeev: 2 a 0, de maneira até surpreendente, de certa forma.

Já no segundo tempo, aos 45 minutos do segundo tempo, o Uruguai ampliou, depois de algumas boas chances criadas. Cobrança de escanteio do lado direito, Diego Godín subiu muito bem de cabeça no meio da área, o goleiro Akinfeev defendeu, mas no rebote estava Cavani ali para conferir e fazer 3 a 0.

Duelos nas oitavas

Com a vitória, o Uruguai empurra a Rússia para a segunda posição. Se a Espanha confirmar o primeiro lugar no Grupo B, como é esperado se vencer Marrocos, os uruguaios escapam dos espanhóis, mas podem acabar enfrentando portugueses, favoritos a vencerem o Irã e passarem. Ainda que Portugal seja uma pedreira, convenhamos que é melhor que enfrenta a Espanha. O Uruguai jogará em Sochi, no próximo sábado, às 15h, no horário de Brasília. Curiosamente, a Rússia ficará em Moscou para jogar no estádio Luzhniki, no dia 1º de julho, domingo, às 11h.

FICHA TÉCNICA

Uruguai 3×0 Rússia

Local: Arena Samara, em Samara (Rússia)
Árbitro: Malang Diedhiou (Senegal)
Gols: Suárez aos 10’/2T, Laxalt aos 23’/2T, Cavani aos 45’/2T (Uruguai)
Cartões amarelos: Smolnikov, Gazisnky (Rússia), Betancur (Uruguai)
Cartões vermelhos: Smolnikov (Rússia)

Uruguai

Fernando Muslera; Martín Cáceres, Sebastian Coates, Diego Godín e Diego Laxalt; Nahitan Nández (Criatian Rodríguez aos 28’/2T), Lucas Torreira, Matías Vecino e Rodrigo Betancur (Giorgian De Arrascaeta aos 18’/2T); Edinson Cavani (Maxi Gómez aos 47’/2T) e Luis Suárez. Técnico: Óscar Tabárez

Rússia

Igor Akinfeev; Igor Smolnikov, Ilya Kutepov, Sergei Ignashevich e Fedor Kudryashov; Roman Zobnin e Yuri Gazinsky (Daler Kuzyaev, intervalo); Aleksandr Samedov, Alexey Miranchuk (Fedor Smolov aos 15’/2T) e Denis Cheryshev (Mário Fernandes aos 38’/1T); Artem Dzyuba. Técnico: Stanislav Cherchesov