Oito de outubro de 2005. Estádio Olímpico de Istambul, Turquia. 18 mil torcedores (num estádio com capacidade para 80 mil) acompanhavam uma partida amistosa entre Alemanha e Turquia. As equipes faziam um jogo morno, com vitória mínima favorável à seleção anfitriã. Até que aos 40 minutos da etapa final, o treinador turco Fatih Terim promoveu a estréia do jovem Nuri Sahin. O fato já seria digno de nota, visto que o garoto com apenas 17 anos tornava-se o mais jovem atleta a debutar pela seleção turca. Além disso, o garoto nascido na Alemanha, abdicara de disputar uma vaga na seleção tricampeã mundial para defender as cores do país de seus pais.

Todavia, Sahin fez mais do que apenas participar da partida. Aos 44, com calma e estilo ele adentrou a área de Oliver Kahn e arrematou com potência, sem chances para o goleiro alemão, anotando o segundo gol do selecionado local. Nem mesmo o gol marcado por Neuville nos acréscimos diminui o sentimento de perda alemã. Nem tanto pela derrota ou pela fraca campanha da seleção que sediará o Mundial, mas sim pelo sentimento de perda de mais uma jovem promessa que não poderá futuramente defender as cores do Nationalelf.

Recordes precoces

Nascido em Ludenscheid, uma pequena cidade no oeste da Alemanha, Nuri Sahin começou a praticar futebol logo aos 4 anos e meio de idade ao ser inscrito numa escolinha de futebol em Meinerzhagen. Em 2001, olheiros do Borussia Dortmund descobriram o talento do jogador e convenceram-no a assinar com o clube. Destacou-se nas categorias de base do BVB e na temporada 2005-06, com o desmanche no elenco devido à crise financeira pela qual passava o clube, foi promovido à equipe principal e fez sua estréia em 6 de agosto de 2005 num empate em 2×2 contra o VfL Wolfsburg. Na partida, Sahin tornou-se o mais jovem jogador a debutar na Bundesliga (a primeira divisão alemã) com 16 anos e 335 dias.

Estabelecer novas marcas parece ser mesmo a especialidade do garoto. Com as boas exibições a partir da estréia o garoto começou a freqüentar a equipe principal e, na vitória do Dortmund sobre o FC Nuremberg por 2×1 converteu o gol decisivo aos 41 minutos do segundo tempo, tornando-se assim, também o mais jovem jogador a marcar pela divisão principal do país, com 17 anos e 82 dias, superando a marca de outro ídolo do Borussia (Lars Ricken, que era 162 dias mais velho quando marcou primeiramente pela Liga).

Mas se nos gramados da Bundesliga ele faz a alegria dos alemães (pelo menos a dos torcedores do BVB), nos torneios entre seleções o jovem garoto preferiu defender as cores da seleção turca, seguindo o mesmo caminho recentemente trilhado por Yildiray Bastürk, Ümit Davala, Ilhan Mansiz e Hamit e Halil Altintop (todos jogando pela Bundesliga, mas defendendo as cores do país de seus pais e descendentes).

A primeira convocação se deu no Mundial sub-17 disputado no Peru. A Turquia ficou em 4º lugar, mas Sahin, que marcou 4 gols, foi eleito o terceiro melhor jogador do torneio, atrás de Anderson (Brasil) e Dos Santos (México), além de conquistar a “chuteira de prata” pela vice-artilharia da competição. Nas semifinais contra o Brasil, os turcos chegaram a empatar a partida após estarem perdendo por 3×0, mas não seguraram o resultado e sofreram a derrota por 4×3.

As boas atuações colocaram a jovem promessa em evidência e muita pressão se fez para que ele defendesse a seleção alemã. Sahin, contudo, demonstrou jogo de cintura e muita paciência para recusar o convite e continuar na seleção turca. Mesmo a perda da tão sonhada classificação para o Mundial de 2006 não o abalou, e o jovem já demonstra ser uma das opções para devolver a Turquia ao Campeonato Mundial.

Assédio dos ´grandes´

Sahin joga preferencialmente com o pé esquerdo, mas não tem problemas em usar o direito para controlar, passar ou rematar. A curto/médio prazo vai deixando de ser um médio assumidamente defensivo (de circulação) e vai começar a jogar em zonas ligeiramente mais adiantadas, fazendo uso das rápidas mudanças de velocidade e de direção, do remate fácil e da visão de jogo para o último passe. É um jogador com estrutura para ser forte fisicamente e já parece entender bem quando deve e não deve integrar-se nas alas para desequilibrar.

Tem todas as condições para ser um dos melhores daqui a uns anos, mas a maturação táctica, especialmente dum centro-campista, é algo que só podemos ver desenvolvida e garantida com o tempo.

A juventude do meia lhe traz muitos “problemas” relacionados a idade: além de dividir o tempo entre os estudos e a escola (ele cursa o Ensino Médio em Dortmund), Sahin mora longe da família, nos alojamentos do BVB, mas diz que compensa a distância saindo com os amigos e com a namorada, uma jovem alemã que cursa uma série abaixo em sua antiga escola. Sahin, como muitos dos jovens jogadores, se diz surpreso e ainda inadaptado com a fama recente. É acanhado ao distribuir autógrafos e têm sonhos modestos, como presentear os pais com uma casa.

Porém, é bom que o garoto se acostume, a boa forma já lhe rendeu elogios de Arsene Wenger, técnico do Arsenal (ING), que o qualificou como um “talento mundial”. Além do francês, o alemão Christoph Daum, treinador do Fenerbahce (time mais popular da Turquia) já elogiou o atleta e demonstrou grande interesse em contar com o atleta para a próxima temporada. As ofertas mais insistentes, porém, provém mesmo da Liga inglesa.

Ele, entretanto, não se abala e diz que está feliz com suas funções no Borussia. O clube concorda e recusa constantemente lucrativas propostas estrangeiras. Mas caso não queira perder o atleta, é bom o clube se apressar: o contrato expira em junho de 2009 e muitos já o vêem com bons olhos. A equipe tem consciência da importância de Sahin, como demonstra o presidente do BVB, Hans Joachim: “Nuri é nosso futuro”.