O Santos recebeu uma ótima notícia, minutos antes do pontapé inicial da sua quinta rodada pelo Grupo 6 da Libertadores. O empate sem gols entre Real Garcilaso e Estudiantes significava que os brasileiros estavam classificados às oitavas de final, e eles atuaram como tal: sem urgência nenhuma para buscar um resultado melhor do que a derrota por 1 a 0 para o Nacional, placar final da partida desta terça-feira. 

LEIA MAIS: Dá gosto de ver Rodrygo jogar, em um Santos que se aproxima da classificação

Esta partida encerra a participação do Santos fora de casa, com sinais preocupantes. As três partidas foram fracas. A primeira teve derrota para o Real Garcilaso. A vitória improvável contra o Estudiantes, na Argentina, foi um grande resultado, mas foi produzida por uma atuação gigantesca de Vanderlei. E o Nacional foi amplamente superior no Parque Central. 

Quem deu as cartas no primeiro tempo foram os donos da casa. Depois de fracos 20 minutos iniciais, eles começaram a levar perigo a Vanderlei. De Pena aproveitou bobeada de Daniel Guedes para ameaçar. Bergessio girou e mandou perto da trave. A melhor oportunidade caiu nos pés de Santiago Romero. De Pena mandou de longe, e Vanderlei defendeu. Mas deixou rebote. Romero apareceu para conferir e, com o gol livre, da entrada da pequena área, acertou a trave. 

Outra boa oportunidade do Nacional surgiu no começo do segundo tempo, com Fucile, mas David Braz conseguiu o desvio providencial. Aos 12 minutos, não houve o que fazer: Luis Espino cruzou da lateral da grande área para a segunda trave, onde estava Leandro Barcia para fazer 1 a 0 a favor dos uruguaios. 

Jair se mexeu depois de sofrer o gol. Colocou Vecchio no lugar de Jean Mota, para tentar melhorar a armação do meio-campo. Sem sucesso. Também trocou Copete por Arthur Gomes e Rodrygo por Vitor Bueno. Com poucos efeitos. O Santos continuou sem saber o que fazer com a bola, errando passes em excesso, e a única chance digna de um “uuuuhhhh” foi já nos acréscimos, em cobrança de falta que Conde cortou. 

O resultado tem poucas consequências práticas para o Santos. Com nove pontos, lidera a chave e pode confirmar a primeira colocação contra o Real Garcilaso, na última rodada, em casa. Mas as atuações fora de casa são um sinal amarelo para o mata-mata.