Era um jogo sem muita importância para o Bayern de Munique. Os bávaros visitariam o Hannover 96, 11º colocado da Bundesliga. Um adversário sem tantas qualidades para barrar a equipe de Pep Guardiola. Como era de se esperar, o Bayern sobrou em campo e venceu com tranquilidade por 4 a 0. Mais do que isso, com o tropeço do Bayer Leverkusen no sábado, abriu incríveis 19 pontos de vantagem para o segundo colocado – e já soma cinco a mais do que na última temporada, quando bateu quase todos os recordes possíveis na liga. Ainda assim, a melhor notícia para os torcedores foi outra: Bastian Schweinsteiger está de volta.

O craque do Bayern fez contra o Hannover sua primeira partida como titular desde o início de novembro, quando uma lesão no tendão o tirou dos gramados. O camisa 31 até havia entrado em campo outras duas vezes na última semana, mas entrando no segundo tempo. Em nenhuma delas tinha dado uma mostra tão contundente de que está 100% apto a exibir novamente seu melhor futebol.

Os passes de Schweinsteiger: toques curtos e muitas inversões, com 87% de acerto

Os passes de Schweinsteiger: toques curtos e muitas inversões, com 87% de acerto

Schweinsteiger permaneceu em campo por 72 minutos. Jogou pelo lado esquerdo do meio-campo, no 4-1-4-1 utilizado por Pep Guardiola. E foi um dos protagonistas do time.  Ao longo do primeiro tempo, nenhum outro jogador acertou tantos passes quanto o alemão, 43 no total. O veterano distribuiu bem o jogo e teve participação direta nos dois primeiros gols da equipe. Primeiro, deu um lançamento preciso para Rafinha, que cruzou e Thomas Müller completou de cabeça. Já no segundo, ótima enfiada de bola para Thiago Alcântara balançar as redes. No segundo tempo, os bávaros puderam tirar o pé do acelerador e, mesmo assim, marcaram mais dois tentos, outro de Müller (com passe de calcanhar de Mario Mandzukic) e um do próprio croata, no segundo cruzamento letal de Rafinha na noite.

A ocasião não deixa dúvidas quanto à forma de Schweinsteiger. Em contrapartida, elas só devem aumentar na cabeça de Guardiola. O camisa 31 foi o maestro do time na última temporada e é um dos jogadores absolutos do time. Mas entra no lugar de quem como titular? Toni Kroos destruiu o Arsenal na Liga dos Campeões, Müller volta para a faixa central quando Robben e Ribéry voltarem, Mario Götze e Thiago Alcântara têm feito ótimo papel em suas temporadas de estreia. A maratona de jogos que os bávaros enfrentam permite a rotação da equipe. Melhor para o técnico, que pode rodar o elenco e, além de manter todos satisfeitos, contar ainda com uma equipe fortíssima para o bicampeonato na Bundesliga e na Champions.