Nunca foram tão fortes os rumores de que Antoine Griezmann sairá do Atlético de Madrid. A imprensa espanhola dá como certa uma transferência para o Barcelona, que pagaria sua cláusula de rescisão. Caso essa possibilidade torne-se concreta, o francês disputou, nesta quarta-feira, sua última partida relevante vestido de branco e vermelho – ainda há uma rodada de La Liga, valendo pouco. E se este é o adeus, Griezmann despediu-se com uma exibição que fará muitos torcedores sentirem sua falta.

LEIA MAIS: A Liga Europa representa uma ode aos grandes atacantes do Atlético de Madrid

O atacante marcou duas vezes na vitória do Atlético sobre o Olympique Marseille, em Lyon, a poucos quilômetros da sua cidade natal de Macon. O placar de 3 a 0 valeu o título da Liga Europa, o seu único de grande importância pelo clube da capital espanhola – também tem uma Supercopa da Espanha, em 2014. Um final apoteótico de uma temporada irregular, em que chegou a ser vaiado pela torcida em mais de uma ocasião.

O começo da campanha não foi excelente para Griezmann. Ele marcou apenas dois gols na fase de grupos da Champions e não ajudou a evitar a eliminação precoce da equipe. Também colocou apenas duas bolas nas redes nas 12 primeiras rodadas do Campeonato Espanhol e chegou ao começo de janeiro com cinco tentos em seu nome. A crítica era que a sua cabeça já estava em um outro clube.

Griezmann, porém, embalou na reta final. Marcou 14 vezes no segundo turno e em todas as eliminatórias da Liga Europa. Foi decisivo com um gol que tirou da cartola contra o Arsenal, em Londres, onde os colchoneros atuaram boa parte do jogo com um a menos. E fechou com chave de ouro ao encaminhar o título da Liga Europa. Aos 21 minutos, o Olympique Marseille errou na saída de bola, Gabi deu o passe, e Griezmann bateu na saída de Mandanda. No começo do segundo tempo, Koke deu a assistência, o francês entrou na área e teve categoria para tocar por cima do goleiro.

Difícil precisar como será o sentimento da torcida do Atlético de Madrid com Griezmann. Caso ele realmente vá para o Barcelona, um rival direto dentro do âmbito doméstico, é provável que haja rusgas. Os colchoneros estão infelizmente acostumados a jogadores indo embora, mas a maneira como eles saem faz diferença. A inclinação de De Gea e Agüero a favor do Real Madrid ruíram a relação de ambos com a arquibancada, que também não ficou muito contente com a ida de Arda Turan para o Camp Nou.

Diego Costa é a melhor contraprova e, também por isso, foi recebido de braços abertos quando voltou. Não deu declarações tortas, nem cogitou continuar na Espanha. Foi para a Inglaterra de modo a diminuir a possibilidade de enfrentar o Atlético de Madrid. E, além disso, despediu-se com um título espanhol e uma final de Champions League.

Griezmann é um caso especial. Também tem uma final de Champions no currículo com o Atlético de Madrid, mas perdeu um pênalti que poderia ter mudado o rumo da partida. Em sua possível despedida, Griezmann tentou se redimir, garantindo ao clube um título europeu, embora menos importante. E com uma exibição tão marcante que também tende a minimizar o eventual e justificado rancor no coração colchonero.