Dynamo Kiev e Lazio podiam ser considerados, sem medo de se cometer exageros, entre os melhores times da Europa na virada do século. Os ucranianos tinham no banco de reservas Valeriy Lobanovskiy, um dos melhores técnicos da história, e vários nomes fundamentais ao futebol local. Não à toa, deram duas sapecadas no Barcelona na Liga dos Campeões 1997/98, além de alçarem as semifinais do torneio na temporada seguinte. A Lazio, por sua vez, se colocava no mesmo patamar. Treinada por Sven-Göran Eriksson e com um investimento maciço em contratações, chegou à decisão da Copa da Uefa em 1998 e conquistou a Recopa Europeia em 1999 – assim como, em 1999/00, faturar a Serie A. Na mesma temporada em que os biancocelesti recuperaram o Scudetto após quase três décadas, encontram-se com o Dynamo na Champions. Duelos que merecem a lembrança, no dia em que os times voltam a se enfrentar, pelas oitavas de final da Liga Europa.

Italianos e ucranianos foram sorteados no mesmo grupo inicial da Champions 1999/00, ao lado do ascendente Bayer Leverkusen e do Maribor. E o que vale destacar é o primeiro jogo entre as duas equipes, no Estádio Olímpico de Roma, em setembro de 1999. A Lazio contava com a sua escalação estelar, de Alessandro Nesta, Sinisa Mihajlovic, Pavel Nedved, Matías Almeyda, Juan Sebastián Verón, Dejan Stankovic, Alen Boksic e Roberto Mancini. Já o Dynamo Kiev havia vendido Andriy Shevchenko ao Milan semanas antes, mas ainda contava com um time de respeito. Olexandr Shovkovskiy, Olexandr Holovko, Kakha Kaladze, Serhiy Rebrov, Maksim Shatskikh e Andriy Gusin figuravam naquela escalação. E o mais legal disso tudo? Encontrar intactos no YouTube os seis minutos alucinantes da partida, entre o primeiro gol dos visitantes e a virada laziale que determinou o placar em 2 a 1.

O primeiro tento sai em erro clamoroso do árbitro Manuel Díaz Vega, que marca um pênalti inexistente, em lance no qual Mihajlovic visa a bola. Pior, o espanhol ainda mostrou o amarelo ao jogador errado, punindo Paolo Negro, sendo que o iugoslavo já tinha sido advertido na primeira etapa. Após a confusão, Rebrov converteu a cobrança, superando o carequinha Marco Balotta aos 23 do segundo tempo. A reação, todavia, aconteceu a galope. O empate nasceu dois minutos depois, e com uma dose de poesia do destino: Mihajlovic cruzou para Paolo Negro completar de cabeça. Então, com mais um punhado de segundos, a virada se consumou. Cruzamento de Boksic para Marcelo Salas, que saíra do banco pouco antes, matar no peito e fuzilar.

A emoção da partida em Roma não se repetiu no Estádio Olímpico de Kiev, dois meses depois. A Lazio ratificou a liderança do grupo com a vitória por 1 a 0, gol contra de Ramiz Mamedov. Ainda assim, o Dynamo se classificou com a segunda colocação, superando o Leverkusen. Os ucranianos caíram na segunda fase de grupos, em chave liderada pelo Bayern de Munique. Somaram os mesmos 10 pontos que o Real Madrid, mas foram eliminados pelos critérios de desempate, atrás dos merengues no confronto direto. Já a Lazio foi líder novamente, acima de Chelsea, Feyenoord e Olympique de Marseille. Despediu-se da competição apenas nas quartas de final, ante o Valencia. Timaços que, de qualquer maneira, se preservam na memória e merecem as honras antes deste reencontro.