Com a iminência da Copa do Mundo, completamos hoje a retrospectiva da temporada 2017-18 do Campeonato Italiano, iniciada na segunda-feira. Começamos falando sobre as revelações da Serie A, passamos à análise das campanhas dos times que ficaram na parte mais baixa da tabela e também para os que se colocaram no topo dela.

LEIA TAMBÉM:
– Retrospectiva da Serie A Italiana 2017/18, parte 1
– Retrospectiva da Serie A Italiana 207/18, parte 2

Agora, é hora de conhecermos os melhores do torneio: em parceria com a Trivela, a Calciopédia convidou alguns dos mais prestigiados jornalistas e blogueiros esportivos para elegerem a seleção e os melhores do campeonato em oito categorias. Agradecemos a cada um dos participantes desta eleição e também a você, leitor, que nos acompanha diariamente. Vamos conferir quem garantiu as premiações? Uma curiosidade: só um dos ganhadores irá ao Mundial.

Seleção da Serie A 2017-18

Alisson (Roma); João Cancelo (Inter), Skriniar (Inter), Koulibaly (Napoli), Kolarov (Roma); Allan (Napoli), Pjanic (Juventus), Milinkovic-Savic (Lazio); Dybala (Juventus); Icardi (Inter), Immobile (Lazio).

Menções honrosas

Goleiros: Buffon (Juventus);
Laterais: Alex Sandro (Juventus), Florenzi (Roma) e De Silvestri (Torino);
Zagueiros: De Vrij (Lazio), Miranda (Inter), Benatia (Juventus), Chiellini (Juventus), Romagnoli (Milan) e Manolas (Roma);
Meias: Jorginho (Napoli), Lucas Leiva (Lazio), Luis Alberto (Lazio), Nainggolan (Roma), Rafinha (Inter), Torreira (Sampdoria) e Ilicic (Atalanta);
Atacantes: Douglas Costa (Juventus) e Insigne (Napoli).

Miralem Pjanic

Prêmios: Melhor jogador e melhor meio-campista

Miralem Pjanic, da Juventus (Photo by Emilio Andreoli/Getty Images)

Nenhum jogador da heptacampeã Juventus foi tão regular quanto Pjanic. Fundamental ao meio-campo da Velha Senhora, o bósnio foi o segundo atleta mais utilizado por Massimiliano Allegri (em termos de minutos em campo) e foi o verdadeiro organizador da equipe bianconera. Quando Dybala e Higuaín não estavam em seus melhores dias, uma simples jogada do regista abria caminhos. Pjanic terminou a temporada com cinco gols e sete assistências na Serie A, competição em que raramente registrou atuações abaixo da crítica: a média de notas que os jornalistas da Gazzetta dello Sport deram ao bósnio foi de 6,35.

Alisson

Prêmios: Melhor goleiro e Melhor jogador brasileiro

Alisson, Roma (Photo by Paolo Bruno/Getty Images)

Dessa vez não teve para Gigi Buffon. Alisson brilhou em seu primeiro ano como titular na Europa, tanto na Serie A quanto na Liga dos Campeões e já é tido como um dos melhores goleiros do mundo, alternando lances espetaculares com defesas difíceis que parece fazer simples, por causa de seu estilo sóbrio. Becker ficou cinco jogos sem sofrer gols pela Liga dos Campeões e 17 jogos sem ser vazado pela Serie A. O gaúcho ainda terminou o campeonato como o goleiro com o maior percentual de defesas: 79%. Entre os brasileiros, a concorrência foi dura, já que muitos jogadores do nosso país se destacaram no torneio – como há muitos anos não acontecia. Allan, Lucas Leiva, Douglas Costa e Miranda tiveram temporadas sensacionais, enquanto Rafinha, Sandro e Guilherme chegaram em janeiro e fizeram belo segundo turno.

Mauro Icardi

Prêmio: Melhor atacante

Mauro Icardi, da Inter (Photo by Maurizio Lagana/Getty Images)

Mais uma vez, a Serie A foi um palco perfeito para artilheiros letais. Icardi dividiu a artilharia do campeonato com Ciro Immobile, mas seus 29 gols acabaram sendo mais valiosos do que os do adversário, uma vez que a Inter conseguiu se classificar para a Liga dos Campeões, torneio do qual ficou seis anos distante. Nesta temporada, Maurito aperfeiçoou sua sinergia com Ivan Perisic e teve o melhor aproveitamento de finalizações de todo o futebol europeu: 35% dos seus arremates se transformaram em gols. Icardi também quebrou algumas marcas: superou os 100 tentos pelo campeonato, se tornou o sétimo maior goleador da Beneamata e foi o interista a marcar mais vezes numa temporada desde Antonio Angelillo, em 1958-59.

Milan Skriniar

Prêmio: Melhor zagueiro

Skriniar, da Inter MILAN, ITALY - FEBRUARY 24: Milan Skriniar of FC Internazionale Milano celebrates after scoring the opening goal during the serie A match between FC Internazionale and Benevento Calcio at Stadio Giuseppe Meazza on February 24, 2018 in Milan, Italy. (Photo by Emilio Andreoli/Getty Images )

Milan Skriniar, da Inter (Foto: Getty Images)

Só dois jogadores de linha entraram em campo nas 38 rodadas e sequer substituídos: Milan Skriniar e Francesco Acerbi, zagueiro do Sassuolo. Embora o defensor neroverde tenha mais minutos em campo (resultado de acréscimos maiores), o eslovaco da Inter foi o verdadeiro “Highlander” da temporada, já que, ao passo que o Sassuolo apenas cumpriu tabela nas últimas rodadas, os nerazzurri tiveram objetivos até o derradeiro final de semana. Muito forte fisicamente, hábil no jogo aéreo e nas antecipações, Skriniar se mostrou um zagueiro completo, capaz de marcar gols (fez quatro) e, sobretudo, de roubar bolas: foi o autor do maior número de desarmes da Serie A, com 185. Contratado em julho, o beque resolveu problemas antigos da defesa da Inter, que sofreu apenas 30 gols e terminou como a quarta melhor do campeonato. Não à toa, é conhecido na Eslováquia como Skrinka – “armário”.

Maurizio Sarri

Prêmio: Melhor técnico

Maurizio Sarri, do Napoli (Photo by Francesco Pecoraro/Getty Images)

Deixar sua assinatura em um time é algo raro no futebol. Principalmente quando um trabalho é concluído sem que títulos sejam conquistados. Isso aconteceu com Maurizio Sarri, que, em três anos, deu ao Napoli uma relevância comparável apenas à dos tempos de Diego Armando Maradona. A última temporada do treinador pelo clube de sua cidade foi marcada pela quebra da barreira de 90 pontos na Serie A: o time azzurro fez 91 e entrou na lista dos 10 maiores pontuadores da história, mas se tornou o primeiro com tal aproveitamento a não ficar com o scudetto. O “Napoli de Sarri” será sempre lembrado pela beleza e objetividade na construção das jogadas e pelas sensacionais linhas de passes, mas também pela competitividade. Os azzurri quase levantaram o título em 2017-18, mesmo saindo muito atrás da Juventus em termos de orçamento e profundidade de elenco.

Patrick Cutrone

Prêmio: revelação do campeonato

Patrick Cutrone, do Milan (Photo by Emilio Andreoli/Getty Images)

O Milan foi ao mercado e gastou muito dinheiro para acertar com Nikola Kalinic e André Silva, mas quem brilhou foi um moleque da base chamado Patrick Cutrone. Desde que estreou, no início da temporada, com gol na Liga Europa e na Serie A, o camisa 63 só cresceu, mas não foi titular absoluto com Vincenzo Montella ou Gennaro Gattuso – ambos continuaram tentando dar novas chances aos contratados. Fenômeno em potencial, Cutro terminou 2017-18 com 10 gols na Serie A (16 no total) e um tento decisivo no dérbi vencido contra a Inter na Coppa Italia. Artilheiro rossonero na temporada, Cutrone dividiu com Kylian Mbappé um feito importante: nos cinco maiores campeonatos europeus desta temporada, os dois foram os únicos nascidos a partir de 1998 a alcançarem a cota de 10 gols anotados.

Eleitores da seleção da temporada 
Alexandre Perin (Almanaque Esportivo)
Andersinho Marques (Premium Sport)
Anderson Moura (Calciopédia)
Arthur Barcelos (Calciopédia/La Beneamata – ESPN FC)
Braitner Moreira (Calciopédia/G1)
Bruno Bonsanti (Trivela)
Bruno D’Alécio (Juventus Brasil)
Bruno Formiga (Esporte Interativo)
Caio Bitencourt (Gazeta Esportiva / Partenopeo – ESPN FC)
Caio Dellagiustina (Calciopédia)
Charley Moreira (Calciopédia/AC Milan Brasil)
Clara Albuquerque (Esporte Interativo)
Cleber Gordiano (Calciopédia/SS Lazio Brasil)
Dassler Marques (UOL)
Felipe Lobo (Trivela)
Felipe Portes (Calciopédia/Revista Relvado)
Felipe Rolim (Esporte Interativo)
Gian Oddi (ESPN)
Giovanni Ghilardi (Calciopédia)
Ivan Zazzaroni (Corriere dello Sport/Rai)
João Guilherme (Fox Sports)
Leandro Stein (Trivela)
Leonardo Bertozzi (ESPN)
Luiz Augusto (Inter de Milão Brasil)
Mairon Rodrigues (Footure FC)
Marco De Vargas (FoxSports)
Mauro Cezar Pereira (ESPN)
Michel Costa (Além das Quatro Linhas)
Murillo Moret (Calciopédia/Gazzebra – ESPN FC)
Nathalia Perez (Calciopédia/AC Milan Brasil)
Pedro Spiacci (Calciopédia)
Rafael Oliveira (ESPN)
Rodrigo Antonelli (Calciopédia/EBC)
Rodrigo Bueno (FoxSports)
Saimon Mryczka (Doentes por Futebol)
Thiago Simões (ESPN)
Victor Canedo (Globo Esporte) e
Zé Elias (ESPN).