A partida de ida das oitavas de final da Libertadores deixou a desejar, em termos técnicos. Cerro Porteño e Palmeiras fizeram uma partida cheia de erros e escassa em chances claras de gol. Ninguém tratou a bola muito bem. Mas se Luis Felipe Scolari voltou ao clube paulista para fazer alguma coisa foi para ganhar esse tipo de jogo. Obter resultados em partidas importantes. Isso, pelo menos, ele conseguiu: o Palmeiras ganhou por 2 a 0 dos paraguaios, fora de casa, e volta ao Brasil com uma ótima vantagem para chegar às quartas de final. 

LEIA MAIS: PES 2019 aumenta aposta em exclusividade, com os cinco clubes mais populares do Brasil

Não foi um grande jogo do Palmeiras, nem seria justo esperar que Felipão, em duas partidas, já fizesse um time que atuasse como música. Nem se sabe se ele chegará lá, já que, mesmo no auge, táticas sofisticadas nunca foram o seu forte. Mas defendeu razoavelmente bem, teve poder de marcação no meio-campo, e teve o Miguel Borja que esperava quando o contratou: letal. Duas oportunidades, duas bolas na rede. Apesar das críticas, muitas delas merecidas, o atacante colombiano faz um bom ano pelo Palmeiras. Com esses gols, chegou a 17 em 25 partidas na temporada, oito deles na Libertadores.

Exceto por um cartão amarelo inexplicável para Moisés, no primeiro minuto, e outro para Rodrigo Rojas, o primeiro tempo não precisava ter acontecido. O Cerro Porteño tomou a iniciativa e ficou com a bola, criando apenas uma chance. Rodrigo Rojas dominou o cruzamento de Raúl Cáceres com o peito e emendou de perna direita, por cima do gol de Weverton. 

Os vestidos de verde tiveram dificuldades para chegar ao campo de ataque e buscar os espaços. Os dois lances que mais levaram perigo foram chutes de longe, de Moisés e Dudu, nenhum muito ameaçador. Foi uma etapa de muita bola esticada, com 55 lançamentos combinados, mais de um por minuto. No entanto, apenas 19 deles foram certos. 

A bola parada abriu o placar para o Palmeiras. Dudu cobrou falta pela esquerda, e Churín desviou de cabeça. Borja dominou com as pernas e soltou a bicuda para fazer 1 a 0. Aos 25 minutos, o colombiano ampliou, participando de duas fases da jogada: o começo e o final. Tabelou com Diogo Barbosa pela esquerda. O lateral esquerdo chutou, e Antony Silva defendeu bem. Mas deu rebote. Moisés recolheu e encontrou um lindo passe para Borja, já no lado direito do ataque, bater para o gol e ampliar. 

O Cerro Porteño conseguiu criar algumas chances, no desespero de tentar minimizar o prejuízo. Jorge Benítez dominou dentro da área e, na hora que ia chutar, Antonio Carlos apareceu com um corte providencial. O mesmo Benítez subiu para cabecear na segunda trave e levou perigo. Nocivo, de fora da área, mandou perto das traves de Weverton. Mas quem saiu do Paraguai com uma vitória importante foi o Palmeiras, com um pé nas quartas de final.