O Sevilla está na final da Liga Europa (Foto: AP)

Sevilla chegou à final da Liga Europa na base da raça, porque no futebol…

O Mestalla viu duas equipes com posturas muito diferentes na semifinal da Liga Europa, nesta quinta-feira, e se o futebol reconhecesse os princípios da justiça, o Valencia deveria estar comprando passagem para Turim. Mas o Sevilla marcou no último ato da partida, a segundos do apito final, perdeu por 3 a 1 fora de casa e se classificou à final da Liga Europa porque ganhou por 2 a 0 em Andaluzia.

>>>> Gol olímpico, vitória de peso e o Athletic está pronto para voltar à Champions

Os visitantes sentaram em cima da vantagem e esqueceram de jogar bola. Foram dominados pelo Valencia desde o começo do jogo. O técnico Unay Emery mandou a campo praticamente a mesma equipe. Apenas Koke, na lateral direita, substituiu Diogo Figueiras. O Sevilla nunca deixou de lutar ou de se empenhar, mas estava muito recuado e não conseguia disputar com o Valencia na técnica.

A bola ficou quase o mesmo tempo aos pés de cada equipe. O dono da casa teve ligeira vantagem, de 53%, mas fez três gols e chutou 13 vezes à meta do goleiro Beto. Mesmo com 47% de posse, o Sevilla só conseguiu três finalizações antes do gol – e apenas uma delas de fato incomodou um pouco o brasileiro Diego Alves. Isso indica que os jogadores de Emery tocavam a bola sem saber o que fazer direito com ela. Ou sem muita pressa de levá-la à frente.

Pois o Valencia tinha pressa. Muita pressa. Aos 14 do primeiro tempo, uma boa jogada trabalhada pela direita terminou em Feghouli. O argelino cortou para a perna esquerda e aproveitou um desvio para marcar. Doze minutos depois, Jonas encontrou um cruzamento com a cabeça e aproveitou a má sorte de Beto, que ainda tocou na bola antes que ela entrasse.

Esse placar já levaria a partida à prorrogação, mas o Valencia não queria decidir a sorte nos dados. Continuou pressionando e, novamente na bola parada, achou o terceiro gol em uma cabeçada do zagueiro Mathieu. Os jogadores do Sevilla pareciam entregues. A raça não os abandonou, eles ficaram mais ofensivos, mas não conseguiam ameaçar de jeito nenhum.

Mas o futebol tem dessas coisas. No fim, ironicamente também na bola parada, o zagueiro Fazio desviou para o meio da área e o volante Mbia completou para o gol. O Sevilla ficou mais longe de uma vaga na Liga dos Campeões depois de perder do Athletic no último final de semana, mas, como nos tempos em que tinha Luis Fabiano e Daniel Alves no seu elenco, vai disputar a decisão da segunda principal competição de clubes do continente.

Você também pode se interessar por:

>>>> Pela primeira vez, um dérbi municipal na decisão da Champions: o maior da história de Madri

>>>> O maior da história da Champions: todos os detalhes do recorde de gols de Cristiano Ronaldo

>>>> S. Ramos e Pepe, os vilões de outras Champions que colocaram o Real na decisão

>>>> Duvidar dos 300 de Arda “Leônidas” Turan e Simeone é impossível