Um jogador de Gana denunciou a situação de calamidade que alguns africanos, especialmente os ganeses, estão vivendo no futebol profissional da Tailândia. Segundo relatou Nikwei Issac, que joga pelo Ayutthaya, à rádio Nkoranza Akyeaa FM, reproduzida pelo site Goal, os jogadores estão sendo enganados por empresários, ficam sem visto de trabalho e não têm dinheiro. Por isso, alguns precisam recorrer ao tráfico de drogas ou a fazer sexo com as mulheres locais para sobreviver. Sim, é isso mesmo: sexo virou moeda de troca para que alguns jogadores consigam sobreviver.

“Essa é a minha primeira temporada no país [Tailândia] depois que um empresário me trouxe aqui. Me fez um monte de promessas, mas quando cheguei, todo se mostrou ser uma mentira, e assim eu tive que lutar para sobreviver”, afirmou o jogador ganês. “A vida não é fácil aqui, eu jogo pelo meu time apenas se o lugar é segur porque meu visto de trabalho expirou, muitos jogadores estão cometendo vários atos ímpios apenas para sobreviverem, alguns dos quais são ganeses. Eles não podem voltar para casa porque eles não estão em uma boa situação financeira. Alguns já recorreram a tráfico de drogas, enquanto outros vivem com mulheres locais”, contou.

“Essas mulheres gostam muito de sexo, então você tem que satisfazê-las todos os dias para que elas te ajudem. Estamos passando por situações infernais apenas por causa do futebol. Jogadores como Abdul Samed ‘Okocha’ e Stephen Offei estão sem clube e me dói que sendo tão talentosos estejam passando por situações assim”, continuou Nikwei. “Eu aconselho os jovens para não se transferirem tão rapidamente de Gana para jogar na Ásia. Eles devem se assegurar que os documentos estão intactos para se prevenir de frustrações”, alertou o Issac.

A situação mostra a fragilidade de jogadores que são levados e abandonados por falsos empresários para sobreviverem em um país do exterior. Em Gana, como em muitos países africanos e do mundo todo, a falta de condições econômicas leva as pessoas a aceitarem aventuras arriscadas. E, neste caso, insólitas.