A polêmica envolvendo quem será o goleiro titular da Alemanha na Copa do Mundo persistirá por mais alguns meses. Pelo menos foi isso que disse o técnico Jürgen Klinsmann após o empate sem gols entre sua seleção e a da França no último sábado, em Paris.

“Essa situação ainda não está definida. Ainda temos de esperar e ver o que acontece nos jogos da Bundesliga, da Premier League e da Liga dos Campeões até a decisão final, em meados de fevereiro”, afirmou o treinador, em coletiva concedida pouco antes do embarque de volta para a Alemanha.

A grande dúvida é quem, entra Oliver Kahn e Jens Lehmann, será o titular no Mundial. Na última sexta-feira, o goleiro do Arsenal chegou a declarar que pensa em desertar o Nationalelf se não tiver garantias de que será o camisa 1 na Copa do Mundo.

Klinsmann também se disse satisfeito com o desempenho de seu time contra a seleção francesa. “A França tem classe e conta com jogadores brilhantes. Acho que fomos bem, jogando agressivamente no meio-de-campo para impedir que eles criassem chances de gol. Obviamente preferiria ter ganho esse jogo, mas estou contente com nossa performance.”

“Estou convencido que podemos ser competitivos contra as melhores seleções do mundo e a vantagem de jogar em casa nos dará um pouco a mais”, completou o treinador da seleção alemã, que não vence nenhuma das equipes tradicionais desde 2000, quando bateu a Inglaterra em Wembley.