Marcelo Bielsa e Claudio Ranieri não são os treinadores de currículo mais vasto. O número de títulos conquistados por ambos é até baixo, considerando o tempo de carreira. Ainda assim, o argentino e o italiano estão entre os comandantes mais marcantes do futebol desde a década de 1990, cada um à sua maneira. Bielsa, com seus conceitos seguidos por tantos, de futebol tão explosivo quanto a sua personalidade. Ranieri, por seu conto de fadas no Leicester e o carisma no trato com o público. Técnicos singulares, que, especialmente como personagens, contribuem demais ao futebol. E que engrandeceram a primeira rodada da Ligue 1, durante o duelo entre Lille e Nantes.

VEJA TAMBÉM: Bielsa chega ao Lille para ditar o jogo em um momento de transformação, sob novo dono

Antes da partida, o respeito entre os dois veteranos imperou nos corredores do Estádio Pierre-Mauroy. Bielsa afirmou que Ranieri era um exemplo para os colegas de profissão, em gentileza retribuída pelo italiano. “Eu te digo de verdade, não creia que não penso isso”, declarou o argentino, ao passo que o adversário concordou, dizendo que o conhecia. Já na entrada dos times em campo, ambos trocaram cumprimentos e sorrisos. Respeito bacana entre dois símbolos em suas novas equipes.

Quando a bola rolou, porém, a balança pendeu para Bielsa. Jogando em seus domínios, o Lille já apresentou as características de seu novo comandante e venceu por 3 a 0. Trabalhou a bola no chão e se posicionou no campo ofensivo, pressionando, para construir o resultado. Junior Alonso, Nicolas de Preville e Anwar El Ghazi anotaram os gols, que saíram apenas no segundo tempo. Além disso, Luiz Araújo e Thiago Mendes estiveram entre os destaques dos Dogues, enquanto Thiago Maia entrou na etapa complementar. Sinal da confiança no novo projeto, a torcida do Lille gritou o nome de Bielsa, recepcionando-o com faixas e bandeiras nas arquibancadas.

VEJA TAMBÉM: Com mais moral, será interessante ver Ranieri no comando do Nantes

Ao longo dos próximos meses, Bielsa e Ranieri enfrentarão desafios bastante diferentes. El Loco foi escolhido a dedo pelo novo dono do Lille, seu amigo pessoal, e tem a liberdade que poucas vezes desfrutou na carreira para aplicar suas ideias. As teimosias não são problema neste primeiro momento, embora deva ser ressaltado também seu trabalho intenso. Bielsa solicitou até mesmo um espaço onde possa ‘morar’ dentro do clube. Passa horas em uma sala de 30 m², onde dorme e organiza seu projeto. Ranieri, por sua vez, não é um tiro no escuro do Nantes. O perfil apaixonado do italiano se casa com o ambiente dos Canários, assim como a filosofia de jogo vertical aplicada no Leicester resgata as memórias do último grande esquadrão visto no Stade de la Beaujoire. O orçamento, todavia, torna uma posição mediana na tabela já satisfatória. Mas, independentemente do que acontecer em campo, ambos certamente darão mais cores à Ligue 1 por suas visões e suas personalidades. Duas figuras a se acompanhar.