Seferovic entrou no segundo tempo para marcar o gol da vitória da Suíça (AP Photo/Themba Hadebe)

Suíça 2×1 Equador: Suíços ofensivos não perdoam erro equatoriano no minuto final

A CRÔNICA

A Suíça ficou famosa nas últimas Copas do Mundo como um time defensivo, o tal “ferrolho suíço”, sofrendo poucos gols e de futebol ruim. Não é mais totalmente verdade, embora a defesa do time ainda seja muito forte. Agora, o time tem qualidade do meio para frente, ao menos se você comparar com times suíços das duas últimas Copas. Contra o Equador, os suíços tiveram que correr atrás do empate e mostraram que nem só de defesa vive o time. Em boa parte do jogo, o time teve que pressionar, buscou o jogo e foi o time mais ofensivo da partida. Conseguiu uma vitória no último minuto, em uma virada fantástica, aproveitando um preciosismo de Arroyo que poderia ter feito o placar ser invertido.

O Equador, aliás, teve bons momentos no jogo. Não é que os equatorianos ficaram só na defesa. Abriram o placar em um lance de cobrança de falta, mas conseguiu ameaçar em um ou outro lance. Tinha em Jefferson Montero uma alternativa de velocidade que usou algumas vezes.O melhor mesmo do time foi Enner Valencia, que fez uma grande temporada pelo Pachuca e manteve o bom momento, marcando o primeiro gol do jogo em uma cabeçada – muito ajudada pela defesa suíça.

Só que a Suíça parecia ter mais qualidade no ataque, especialmente com Shaqiri e Xhaka, dois jovens valores do time – 22 e 21 anos, respectivamente. O primeiro é provavelmente o jogador mais famoso desse time, reserva do Bayern de Munique. Já o segundo é do Borussia Mönchengladbach. Ambos saíram do Basel e formam na seleção uma boa dupla de meio-campo ofensivo.

Não por acaso, a Suíça teve 62% de posse de bola, com 17 chutes a gol (6 no alvo). O time suíço foi melhor que o equatoriano na partida, mostrou mais recurso, mas não muito mais. O jogo foi equilibrado, porque o Equador soube se defender e conseguia eventualmente ameaçar. E teve a bola do jogo para definir já nos acréscimos. EM um ataque rápido pela direita, Antonio Valencia fez tudo certo, rolou bonito a bola para o meio da área para Arroyo. O meia não bateu de primeira, tentou driblar o zagueiro e perdeu. Do contra-ataque nasceu a jogada que resultou no gol da Suíça, o gol da vitória.

Considerando que a França está no grupo, a Suíça consegue uma vitória essencial. Enfrentará ainda Honduras, a adversária mais fraca, e a França, que é a favorita. A vitória dá margem de negociação no jogo contra a França. Ao Equador, resta vencer Honduras e aí tentar a sorte contra a França. Não será tarefa fácil.

FICHA TÉCNICA

SUÍÇA 2X1 EQUADOR

SUÍÇA

Escudo SuíçaDiego Benaglio; Stephan Lichtsteiner, Johan Djourou, Steve Von Bergen e Ricardo Rodríguez; Valon Behrami e Gökhan Inler; Xherdan Shaqiri, Granit Xhaka e Valentin Stocker (Admir Mehmedi, intervalo); Josip Drmic (Haris Seferovic, 30’/2T). Técnico: Ottmar Hitzfeld

EQUADOR

Escudo EquadorAlexander Domínguez; Juan Carlos Paredes, Jorge Guaga, Frickson Erazo e Walter Ayovi; Antonio Valencia, Carlos Gruezo, Christian Noboa e Jefferson Montero (Joao Rojas, 31’/2T); Felipe Caicedo (Michael Arroyo, 25’/2T) e Enner Valencia. Técnico: Reinaldo Rueda

Estádio: Mané Garrincha, em Brasília
Árbitro: Ravshan Irmatov (UZB)
Gols: Enner Valencia, 22’/1T, Mehmedi, 3’/2T, Seferovic, 48’/2T
Cartões amarelos: Paredes, Djourou
Cartões vermelhos: nenhum

OS GOLS

22’/1T: GOL DO EQUADOR!
Falta cobrada por Walter Ayoví pela esquerda no meio da área, onde Enner Valencia aproveitou a neutralidade suíça, que não marcou ninguém, e cumprimentou de cabeça para as redes.

3’/2T: GOL DA SUÍÇA!
Escanteio cobrado por Rodríguez do lado esquerdo na pequena área e a zaga equatoriana não subiu. Mehmedi, que nem tinha tocado na bola, agradeceu, logo depois de subir e meter para o gol e empatar o jogo.

48’/2T: GOL DA SUÍÇA!
Depois de Arroyo perdeu uma grande chance no ataque, a Suíça partiu em um contra-ataque que foi mortal. Behrami tomou uma falta dura, caiu, se levantou , ficou com a bola e lançou Rodríguez na esquerda. O lateral cruzou rasteiro para Seferovic, que entrara há pouco, finalizar e dar a vitória à Suíça.

O CARA

Ricardo Rodríguez é o lateral esquerdo suíço e foi dali que saíram os dois gols da vitória do time contra o Equador. Um dos remanescentes do time campeão mundial sub-17 em 2009, o jogador, de pai espanhol e mãe chilena, fez o cruzamento para Mehmedi marcar o primeiro e Seferovic, seu companheiro naquele time de 2009, marcar o segundo. Uma atuação decisiva do jogador de 21 anos, que joga no Wolfsburg, da Alemanha.

A TÁTICA

Suíça x Equador

A Suíça jogou no 4-2-3-1 tão popular em times do mundo todo. Xhaka comandou a criação no meio-campo, mas recuava muitas vezes para pegar a bola com os volantes. Shaqiri, pelo lado, ora era armador, ora mais atacante. Stocker, pela esquerda, foi quase nulo no jogo e por isso deixou o campo no segundo tempo. No Equador, duas linhas de quatro com meias abertos pelos lados do campo, ambos sendo perigosos, mas especialmente Jefferson Montero. Felipe Caicedo foi apagado, mas Enner Valencia foi muito perigoso no jogo.

A ESTATÍSTICA

5

Número de desarmes feitos por Ricardo Rodríguez durante o jogo, o melhor no quesito ao lado do zagueiro Djourou. Se ofensivamente Rodríguez decidiu, defensivamente ele não deixou por menos e fez um ótimo trabalho.


Deixe uma resposta