Gianluigi Buffon escolheu Wojciech Szczesny como seu substituto no gol da Juventus. As boas atuações pela Roma credenciaram o polonês, que veio para ser reserva da lenda enquanto não se aposenta. A partir de dezembro, uma rara lesão sofrida por Gigi abriu espaço ao herdeiro. E o desempenho do camisa 23 foi notável, tomando apenas um gol nos dez jogos que disputou no período. O retorno de Buffon recolocou o companheiro no banco, e o veterano já brilha novamente. A concorrência sadia pela posição, entretanto, não incomoda Szczesny. Nesta semana, em entrevista à Gazzetta dello Sport, o polonês falou em tom de reverência sobre o velho ídolo. Afastou qualquer rixa e exaltou a chance que tem de treinar com um dos melhores da história.

“É incrível trabalhar com Buffon. Eu cheguei aqui sabendo que ele tem mais um ou dois anos de carreira pela frente, e disse para mim mesmo que esta seria uma experiência possível apenas uma vez na vida. Eu esperava conhecer um goleiro extraordinário, mas ele também é um homem sensacional. Buffon é o grande líder do time, um grande amigo de todos. Ele é a pessoa que todos nós amamos. Ele ajuda a todos e todo mundo o ajuda. É uma pessoa incrível, e não preciso dizer nada sobre ele como goleiro, porque todos sabemos. É uma experiência fantástica e espero que ele possa seguir jogando – mas apenas por mais um ano [risos]”, apontou o arqueiro, brincando com a indecisão do veterano sobre a sua aposentadoria – inicialmente estabelecida para este ano, mas que provavelmente será prorrogada até 2019.

Com aparições esporádicas nos primeiros meses da temporada, Szczesny demonstrou,  quando ganhou sequência, que o futuro da Juventus está em boas mãos. Pode não ter trabalhado tanto, mas fez um grande número de defesas brilhantes. E permanecer nove jogos sem sequer buscar a bola no fundo das redes é um sinal claro de sua excelência. Certamente, absorve bastante nos treinamentos com Buffon.

Falando sobre a mentalidade que encontrou em Turim, Szczesny elogiou o comprometimento dos bianconeri com o trabalho diário: “A cada dia na Juventus, você percebe que tem uma responsabilidade aqui. Nós temos que vencer, somos obrigados a vencer tudo. Ganhar é normalidade aqui, então existe a responsabilidade de trabalhar mais duro do que todos. Eu acho que é isso que leva a Juventus a conquistar todos estes títulos. Ser hexacampeão nacional é algo extraordinário. Gostaria que chegássemos a dez”.

Além disso, o polonês relembrou o seu passado em Londres, quando chegou ao Arsenal. Segundo o goleiro, esta etapa de sua vida foi importante em seu amadurecimento: “Minha experiência em Londres foi muito importante. Cheguei com 15 anos, sem minha mãe, sem ajuda. Eu tive que crescer rapidamente. Continuo considerando Londres como minha casa, tenho muitos amigos lá. Eu era um fenômeno na Polônia, o melhor do país. Cheguei ao Arsenal e vi 90 goleiros melhores do que eu. Percebi que, para chegar a certo nível, precisava fazer mais que os outros. Aprendi inglês muito rapidamente e trabalhei muito duro, até que cinco ficassem à minha frente, depois quatro, depois três. Eu fiz as escolhas corretas, como não festejar demais quando era um adolescente sozinho em Londres”.