Além de dar nome ao estádio, Allianz agora é também acionista do Bayern (AP Photo/Matthias Schrader)

Allianz bota mais grana no Bayern, e até o Dortmund já prevê desequilíbrio ainda maior

Eis que surge a notícia que a Allianz comprou 8,33% das ações do Bayern de Munique e se igualou à Adidas e à Audi em número de ações do clube. No total, as três empresas somam 25% das ações do clube bávaro, o máximo permitido de participação acionária para quem não é o dono efetivo, de acordo com o estatuto. O que isso significa? Mais € 110 milhões na conta do atual campeão europeu e mundial de clubes. O temor é que o desequilíbrio na Bundesliga aumente mais. É uma preocupação bastante válida.

A Allianz é uma empresa de seguros alemã e é quem dá nome ao estádio do clube. É importante lembrar que a Bundesliga proíbe que um investidor privado com mais de 49% das ações dos clubes. No caso específico do Bayern, o estatuto não permite que esse tipo de investimento passe de 25%, como chegou agora, igualmente distribuído entre as três empresas. As três empresas, aliás, são bávaras.

O Bayern anunciou que os € 110 milhões serão usados para quitar os débitos que ainda constam com a Allianz Arena, tornando o estádio completamente quitado, e para reconstruir o centro de treinamento para categorias de base, em Munique. Ou seja: o clube se livra de uma parcela que tinha que pagar e ainda melhora a sua estrutura. Um passo a mais para ser cada vez de forma mais sólida o time mais forte da Alemanha.

“Esse desenvolvimento era previsível”, disse o diretor geral do Borussia Dortmund, atualmente o principal concorrente do Bayern dentro da Alemanha. “Eles estão negociando com a Allianz por um longo tempo e eu posso apenas parabenizá-los pelo negócio, mas o abismo para o resto da Bundesliga, obviamente, vai crescer ainda mais por isso”, analisou.

Esse é um dos grandes temores dentro da Bundesliga. Afinal, o time da Baviera parece estar muito à frente dos demais em campo – lidera o Campeonato Alemão com 13 pontos de vantagem sobre o segundo colocado, atualmente o Bayer Leverkusen e 17 pontos à frente do Borussia Dortmund.

A Bundesliga é um dos campeonatos que divide mais igualmente o dinheiro de TV. Mesmo assim, o Bayern conseguiu fazer seus rendimentos subirem com a parte comercial. É um clube que tem sua marca mundialmente conhecida, algo que não acontece com os demais times alemães. Além disso, consegue alianças firmes com empresas do porte da Allianz, Adidas e Audi. Os demais clubes alemães precisarão buscar ver se o modelo do Bayern serve a eles, ao menos em parte, e encontrar um caminho para aumentar a sua receita. Caso contrário, a liga corre mesmo o risco de ter um só gigante.


4 respostas para “Allianz bota mais grana no Bayern, e até o Dortmund já prevê desequilíbrio ainda maior”

  1. Rodrigo T. Aragão disse:

    Nunca é ruim ver algo que alguém conquista com méritos e esforços próprios. Serve de incentivo para a concorrência crescer junto.

    • André Macedo Ribeiro disse:

      Não que a ideia seja minar as conquistas bávaras, mas equalizá-las de acordo com a realidade vivida no campeonato. Se o Bayern e os restantes dos times tiverem aumento de faturamento da ordem de 25% ao mês, a distância sempre irá aumentar.

    • Rodrigo T. Aragão disse:

      Bom…não se pode dizer que o tratamento que a Bundesliga dá aos clubes é desigual, ao contrário do que ocorre na Espanha, que aí sim eu acho injusto com o resto. O problema é que na Alemanha existe 1 gigante e alguns grandes. Nas outras grandes ligas, existem mais de 1 gigante (Real/Barça na Espanha, Juventus/Inter/Milan na Itália, Manchester United/Arsenal/Liverpool além de Chelsea e City que estão turbinados com seus donos bilionários lá na Inglaterra).

      • André Macedo Ribeiro disse:

        Concordo em gênero, número e grau. No entanto, no caso específico da Alemanha, a discrepância entre os times pode prejudicar a liga, prejudicando até mesmo o próprio Bayern. Como já ocorreu no caso do empréstimo ao Borussia, na bancarrota que o time se encontrava, o Bayern deve buscar, por mais paradoxal que seja, manter um nível forte de seus adversários. Um clube gigante e vários médios acabaria por implodir a Bundesliga.

Deixe uma resposta