A federação russa puniu o Kuban Krasnodar por se recusar a viajar para enfrentar o Spartak Nalchik, em partida da segunda divisão do país. O clube alegou razões de segurança para justificar a atitude, por considerar a região perigosa. Como pena, a entidade estabeleceu o placar de 3 a 0 favorável ao Spartak e uma multa por volta de € 48 mil.

Na última quinta, cerca de 100 homens armados, ligados a separatistas chechenos, invadiram Nalchik, capital da província de Kabardino-Balkaria. O grupo matou vários policiais e civis.

Os dirigentes do Krasnodar se revoltaram com a punição e se consideram injustiçados. “Não acho que seja possível disputar uma partida de futebol em uma cidade na qual tanques estejam nas ruas e forças especiais combatam rebeldes”, afirmou Maxim Remchyukov, diretor-geral do clube.

Porém, a federação russa havia confirmado a realização do jogo. “As autoridades de Nalchik nos deram garantia de segurança para esta partida. Não tivemos outra escolha a não ser dar os pontos para o Spartak”, disse Viktor Marushchak, presidente do comitê disciplinar da entidade.

O Krasnodar recorrerá da decisão. “Vamos entrar em contato com a Uefa e a Fifa para cuidar deste assunto. Como chefe do clube, não posso colocar em perigo a vida dos meus jogadores”, afirmou Remchyukov.