A torcida do Zenit deu mais uma demonstração de imbecilidade neste domingo. Na derrota por 4 a 2 para o Dynamo Moscou, a torcida invadiu o gramado aos 42 minutos do segundo tempo e um torcedor de um soco no defensor Vladimir Granat. Um claro sinal que algo precisa ser feito, nos campos criminal e esportivo, para impedir que cenas assim se repitam.

LEIA TAMBÉM: Selvageria na Rússia: torcedores do Dortmund são atacados em São Petesburgo

O torcedor que invadiu o gramado tem que ser preso por agressão e responder por isso. O clube tem que ser punido por não oferecer condições de segurança para impedir a invasão do gramado. Em alguns casos, como na Inglaterra, o clube não é punido porque identifica e pune imediatamente o torcedor, não só esportivamente, o impedindo de ver jogos, como civilmente, o fazendo prestar trabalhos comunitários ou mesmo ir preso, se for uma agressão como a que aconteceu na Rússia.

Não que a Inglaterra seja um exemplo em tudo, mas é preciso tomar atitudes contra esses casos de agressões, racismo, xenofobia e preconceito que a torcida do Zenit faz. Enquanto não se punir o indivíduo e, no caso de repetidas ações, como o Zenit, também punir o clube, que parece conivente.

LEIA TAMBÉM: Torcida do Zenit faz manifesto contra negros e gays

A derrota faz o Zenit deixar de depender só de si para a conquista do título. Com 60 pontos, o time foi ultrapassado pelo CSKA Moscou, que tem 61. Isso, claro, considerando que a derrota será computada, porque esse é o melhor cenário para o Zenit neste momento. Uma punição com a perda de pontos é possível e, assim, o título poderia ir pelo ralo, há que falta só uma rodada para o final da competição. Na quinta-feira, última rodada, o Zenit enfrenta o Kuban Krasnodar fora de casa e o CSKA Moscou recebe o Lokomotiv Moscou precisando de uma vitória para ficar com o título.