O Norwich criou um projeto interessante para construir uma nova estrutura às suas categorias de base. Para não pesar nas finanças do clube, atualmente um mero figurante no meio da tabela da segunda divisão inglesa, a ideia era angariar os fundos através dos torcedores. Uma espécie de empréstimo coletivo – ou, do ponto de vista individual, um investimento. E os seguidores dos Canários demonstraram sua confiança quanto aos pratas da casa que poderão surgir no futuro. Com o envolvimento de 700 pessoas, incluindo também membros da diretoria, a equipe conseguiu arrecadar os £5 milhões traçados como meta – e isso apenas seis semanas depois do anúncio sobre a iniciativa.

Cada interessado em ajudar poderia fazer um investimento mínimo de £500. O piso do Norwich era ao menos chegar aos £3,5 milhões. No entanto, o espírito coletivo falou mais alto, cumprindo o teto de £5 milhões. Embora os Canários não tenham revelado detalhes, é possível que algum investidor de maior aporte financeiro tenha se envolvido no negócio, considerando o alto valor médio empregado – que, entre 700 torcedores, superaria as £7 mil para cada.

Vale ressaltar, todavia, que esta não é uma simples doação. Os contribuintes recuperarão o dinheiro em um prazo de cinco anos, com uma pequena margem de juros – 5% brutos anualmente, com acréscimo de 3% conforme os créditos do clube. Além disso, receberão um bônus de 25% se os auriverdes retornarem à Premier League dentro das próximas cinco temporadas.

O Norwich já iniciou a construção da sua nova academia – que terá novos campos, vestiários e outras acomodações apropriadas. O clube almeja um centro avaliado na “Categoria 1” pela Football League, o mais alto dos padrões formativos estabelecidos na Inglaterra. Desta maneira, os Canários precisarão comprovar um nível de excelência na estrutura, nos equipamentos e na estratégia de desenvolvimento de jogadores para receber o selo – concedido através de uma auditoria independente. O atual trabalho dos auriverdes na base, de qualquer maneira, já tal nota máxima.

“Conseguimos que acontecesse rapidamente. Perdemos o barco quando o clube tinha muito dinheiro, então fomos em busca de outra maneira. O que me surpreendeu foi o reconhecimento dos torcedores sobre a maneira como o CT não está no nível que precisa”, declarou o diretor esportivo, Stuart Webber, à rádio BBC. Segundo o dirigente, a meta foi cumprida apenas com os contribuintes pré-registrados, antes que o Norwich atingisse a data estipulada para abrir o sistema ao público em geral.

“Quando analisamos o conceito do projeto, eu estava confiante que pudéssemos chegar a nossa meta mínima, mas não esperava o nível de demanda que tivemos. Esse nível fantástico de apoio nos permitirá melhorar ainda mais a academia. É uma parte vital em nossa estratégia para o futuro. Estipulamos o valor de maneira sensata a administrar nossos compromissos com os investidores. Agradecemos que alguns torcedores tenham ficado desapontados por não ajudar a tempo. Anunciaremos novas formas de auxílio no futuro”, complementa Steve Stone, diretor geral do clube.