A torcida do Paok já tinha dado sua grande contribuição para colocar seu time na decisão da Copa da Grécia. Contra o Olympiacos, na semifinal, o Estádio Toumbas se tornou uma filial do inferno. Ambiente ensurdecedor, sinalizadores que coloriam as arquibancadas de vermelho e até peixes no banco de reservas dos rivais. Pois os alvinegros conseguiram dar mais uma prova incontestável de seu fanatismo neste sábado, na decisão contra o Panathinaikos, por mais que o resultado não tenha sido o esperado.

>>> A torcida do Paok atualizou o conceito de ‘tornar a vida do rival um inferno’

Quase 20 mil torcedores enfrentaram os 270 km que separam Salônica de Atenas, palco da final. Um comboio de mais de 300 ônibus pegou a estrada para levar a massa do Paok até o Estádio Olímpico, para lotar as arquibancadas. Embora parte da torcida não seja das mais amistosas, apenas um incidente grave foi registrados: dois coquetéis Molotov foram atirados em um dos veículos, que teve seus vidros estilhaçados, mas nenhum veículo.

Obviamente, o aparato de segurança para o jogo foi gigantesco. Na Grécia, os clássicos costumam contar com apenas uma torcida, mas a exceção foi aberta para o jogo único da decisão. Ainda assim, centenas de policiais fizeram a segurança do estádio, enquanto uma porção considerável das arquibancadas ficou vazia para evitar o contato entre os fãs dos dois times. Apesar disso, houve confronto entre as forças de segurança e os ultras do Panathinaikos. Ao menos os presidentes dos clubes reiteraram a cordialidade antes da partida com um aperto de mão – não, nem isso costuma ser comum no futebol grego.

Faltou só o Paok corresponder dentro de campo a devoção de seus fanáticos. A equipe foi presa fácil para o Panathinaikos, derrotada por 4 a 1 – o centroavante Markus Berg balançou as redes três vezes, enquanto Nikos Karelis fechou a conta para os Trifylli. Resta saber como será a volta dos 20 mil alvinegros a Salônica. Há o risco de que a fúria tome conta da estrada, o que precisará de cuidados especiais das forças de segurança. O que deveria acontecer é uma enorme sensação de dever cumprido, com uma das maiores mostras de paixão no futebol desta temporada.

ÐÏÌÐÇ ËÅÙÖÏÑÅÉÙÍ ÌÅ ÏÐÁÄÏÕÓ ÔÏÕ ÐÁÏÊ ÃÉÁ ÔÏÍ ÔÅËÉÊÏ ÊÕÐÅËËÏÕ ÓÔÏ ÏÁÊÁ ÌÅ ÔÏÍ ÐÁÍÁÈÇÍÁÚÊÏ

paok

BmKvrEwCQAI6ddC