Desde que retornou ao Atlético de Madrid em 2016, após alguns meses emprestado ao Milan, Fernando Torres renovou seu contrato ano a ano. Ao fim da temporada, decidia se queria continuar, e o clube, se queria continuar com ele. Tentou estender ao máximo sua passagem pelo clube que o revelou. Mas o momento da segunda despedida chegou. El Niño anunciou que os próximos meses serão seus últimos pelo Atlético de Madrid.

LEIA MAIS: O equilíbrio foi a tônica no clássico entre Real e Atlético – e o empate provou

A decisão de Torres foi baseada no tempo de jogo escasso que está tendo nesta temporada. São apenas 34 partidas até agora, somente 11 desde o começo, sendo quatro nas primeiras fases da Copa do Rei, quando as equipes espanholas usam equipes alternativas. O jogador de 34 acredita que ainda tem lenha para queimar e buscará um clube em que possa atuar com mais frequência.

“Para mim, é muito difícil dizer adeus pela segunda vez porque minha ideia era me aposentar aqui, mas as coisas nem sempre acontecem como se deseja. Sinto que tenho o físico e a mentalidade para continuar jogando. Estou bem e buscarei outro lugar”, afirmou, durante um evento promocional. “Aceito a minha realidade e o protagonismo que estou tendo, que é muito pequeno, e acho que é o momento de dar lugar para outros. Tenho a sensação de que posso jogar e quero continuar fazendo isso. Não há um único motivo, mas sensações que fui percebendo”.

Torres descartou problemas com o técnico Diego Simeone. A relação com o chefe, segundo ele, é meramente profissional, “nem boa e nem ruim”. Afirmou que baixou a cabeça e trabalhou para buscar um lugar na equipe, o que conseguiu, de certa maneira, menos na atual temporada. Está pensando apenas em buscar mais minutos nos meses restantes, para conseguir desfrutá-los ao lado da torcida colchonera.

“Eu me sentia na obrigação de informar a torcida. Não havia um bom momento porque sempre temos uma partida mais importante que a anterior pela frente, mas esta mensagem é para a torcida. Temos mais ou menos um mês juntos. Eu, que nunca pedi nada a eles, peço que me acompanhem e estejam comigo. Dizem que as coisas bonitas tem um começo e um fim. O começo vivemos muitos anos atrás e o fim está próximo. Que a torcida esteja com a equipe e que o final chegue com um troféu”, disse.

Nem no retorno para casa o atacante conseguiu recuperar o futebol que o deixou famoso pelo Atlético de Madrid e pelo Liverpool, mas pelo menos conseguiu viver grandes momentos pelo clube do coração. Principalmente na campanha que levou os colchoneros à decisão da Champions League de 2016, com participação importante de Torres nas quartas de final, contra o Barcelona, e na semi diante do Bayern de Munique. A despedida pode vir com título da Liga Europa. O Atleti está nas quartas de final e já abriu boa vantagem contra o Sporting, ao vencer o jogo de ida, em casa, por 2 a 0.