Claro que Messi está feliz com mais uma vitória do Barcelona no Campeonato Espanhol, a 13ª em 16 rodadas, a manutenção da invencibilidade e os seis pontos de vantagem para o segundo colocado. Mas deve estar muito frustrado por ter saído da goleada por 4 a 0 sobre o Deportivo La Coruña, neste domingo, sem marcar nenhuma vez. A bola teimou em não entrar. Teimou no nível de deitar no chão da loja de brinquedos e chorar alto, em uma partida em que a trave foi a grande protagonista, para o bem e para o mal.

LEIA MAIS: Há 25 anos: quando a Ferrari do São Paulo despedaçou os sonhos do Barcelona

Foram cinco bolas na trave do Barcelona. Messi, sozinho, mandou três: no travessão, em cobrança de falta, e em uma boa jogada individual que terminou no gol de Paulinho. O curioso é que o meia brasileiro recebeu duas assistências do poste. No segundo tempo, pegou a sobra da finalização de Jordi Alba.

Além do relacionamento problemático que teve com a trave, Messi ainda parou em boas defesas de Martínez, desperdiçou um pênalti e mandou algumas boas chances para fora. Finalizou 11 vezes e não conseguiu guardar nenhum golzinho.

.

.

.

 

Além da trave, o craque do jogo foi Iniesta, que deu um lindo para Messi rolar para Suárez abrir o placar. E houve um lance incrível do uruguaio, que pegou um rebote de letra. Martínez conseguiu espalmar, mas a bola aparentemente já havia cruzado a linha. Como não há nenhum tipo de tecnologia na Espanha, o golaço de Suárez não foi validado.

.