A Uefa deu um aviso nesta quarta a clubes, federações e jogadores. Caso fique comprovada a culpa de algum deles em casos de racismo, serão punidos com rigor, correndo o risco até de expulsão da competição.

Per Ravn Omdal, vice-presidente da Uefa, encontrou-se com membros do Parlamento Europeu ontem, em Bruxelas, para discutir soluções para o problema. No último domingo, o marfinense Zoro Kpolo foi alvo de manifestações racistas da torcida da Internazionale na partida contra o Messina. Revoltado, o jogador tentou interromper o jogo. Kameni, goleiro camaronês do Espanyol, também sofreu ataques deste porte.

O dirigente afirmou que a Uefa pretende dar aos juízes maior autoridade quando houver algum incidente deste tipo. “Será dado aos árbitros o poder necessário para abandonar ou cancelar jogos se necessário. Precisamos que tanto eles como oficiais das partidas sejam rígidos com este assunto. Se eles estiverem sonolentos precisam acordar”, alertou Omdal.

A federação italiana anunciou nesta segunda que, como forma de protesto, as partidas desta semana pela Copa da Itália e Série A começarão com cinco minutos de atraso.