O Sport é o primeiro representante brasileiro na Copa Sul-Americana. O Leão conquistou essa vaga ao empatar com o Ceará por 1 a 1 e ficar com o título da Copa do… ESPERA AÍ! APAGA TUDO! Sim, o Sport de fato tem uma vaga na Copa Sul-Americana. E daí? Pode ser importante, pode fazer uma boa campanha, mas isso não importa. O Leão conquistou a Copa do Nordeste, e só de ver as 61 mil pessoas que foram ao Castelão nesta quarta já dá para saber que a Copa Sul-Americana é o item menos importante de toda essa história. O valor técnico, de um torneio que dá vaga para outro, é irrelevante neste caso. Importante é o sentimento que gira em torno dessa competição.

VEJA TAMBÉM: Copa do Nordeste precisa do Maranhão e do Piauí, não do Flamengo

A Copa do Nordeste é uma das melhores coisas do futebol brasileiro na atualidade. Ela teve de lutar para ser criada. Teve de improvisar um espaço no calendário, teve de contrariar os desejos de cartolas de federações estaduais preocupados com seus feudos e cartolas nacionais que ignoram o que está acima de Minas Gerais. Mas seu surgimento era inevitável, como se uma força da natureza estivesse impulsionando esse processo. Tudo porque o Nordeste tem algo especial.

Há diferenças entre um nordestino e outro, mas existe um sentimento em comum a respeito de sua região. O orgulho do Nordeste, e de todos os aspectos culturais, econômicos, históricos e sociais que giram em torno disso. Era impossível impedir que esse sentimento buscasse uma forma de manifestação no campo de futebol, e que o resultado disso fosse um torneio com identificação total com seu público.

 

A torcida do Sport fez a festa no Castelão, em Fortaleza (Foto: Rafael Ribeiro/CBF)

A torcida do Sport fez a festa no Castelão, em Fortaleza (Foto: Rafael Ribeiro/CBF)

Os 61 mil bateram o recorde de público do novo Castelão e os milhões de cearenses e pernambucanos que ficaram na frente da TV não estavam preocupados com a vaga na Sul-Americana, na Libertadores, no Mundial de Clubes ou no Ramón de Carranza. Eles pensavam apenas em ser os melhores diante de seus iguais. Puro sentimento de orgulho regional, sem nenhuma megalomania de usar aquilo como um passo para dominar o sistema solar. Isso é esporte em sua essência.

Sim, o Sport tem uma vaga na Sul-Americana, mas o Leão é grande o suficiente para consegui-la várias e várias vezes. Mas conquistar um dos torneios de clubes mais legítimos do Brasil, que tem um casamento mais íntimo com seu torcedor, isso não tem vaga que paga. O Rubro-Negro incrementou sua sala de troféus, mas quem ganha mesmo com o Nordestão é o Brasil. Ele enriquece a cultura do futebol brasileiro. Que o resto do País tenha inteligência para admirar isso.

LEIA MAIS: Nordestão já tinha versão melhorada do nome da Champions League, agora tem do hino