Mais que a saga do Instituto no Football Manager, esta é a história de Santiago Milasevan. O técnico uruguaio que levou o clube de Córdoba a dois títulos da primeira divisão argentina também se aventurou no futebol de seleções. Como vocês devem se lembrar, em 2015 recebi o convite da Federação Chilena para assumir La Roja após a péssima campanha na Copa América. Não havia seleção mais adequada ao perfil do treinador. Afinal de contas a ideia desde o princípio do save era emular o estilo de jogo de Marcelo Bielsa, que teve justamente com o selecionado chileno um dos melhores trabalhos de sua carreira.

>>>> Não leu os outros episódios e quer conhecer? veja todos episódios desta saga de FM

Assumimos a equipe em julho de 2015 sem, é claro, abandonar o Instituto. Após conhecer os jogadores instituí o esquema que vinha dando certo no meu clube. O nosso 3-1-3-3 que dentro de campo fica com cara de 3-3-1-3. Neste primeiro momento a ideia era conhecer os jogadores para fazer uma boa eliminatória para a Copa da Rússia. Nosso primeiro jogo foi um amistoso contra a Holanda.

LEIA TAMBÉM: O que Paulo Nobre pode aprender com o Football Manager

Para esta partida o Chile teve: Bravo, Labrín, Medel e Toro; Carmona; Isla, Vidal e Beausejour; Matias Fernández, Sánchez e Vargas.

Minha expectativa não era das melhores, mas nos defendemos bem e vencemos por 1 a 0 com de Aléxis Sánchez.

- Cerca de um mês depois nos reunimos para a estreia nas Eliminatórias para a Copa do Mundo. Em Santiago, recebemos o Paraguai. Apesar de o time ainda estar se entrosando, dois contra-ataques resultaram em finalizações e gols de Sánchez. O Paraguai diminuiu, mas no segundo tempo Medel, de cabeça, fez o 3 a 1. Nossos adversários conseguiram fazer mais um gol. No finzinho do jogo, porém, Valdívia, que veio do banco, fez o 4 a 2.

- O jogo seguinte não teve nada de muito bom para nós. Contra o Brasil, fora de casa, o Chile se mostrou bem longe de um nível aceitável. Tomamos 1 a 0 logo no começo e não conseguimos em absoluto reagir. Só o Brasil jogava. Se demos cinco chutes a gol foi muito. Felizmente ficou por isso mesmo. 1 a 0 pra eles com gol de Neymar.

- Em novembro de 2015 recebemos os equatorianos e com uma escalação já um pouco distinta daquela inicial vencemos por 3 a 1. Três gols de Aléxis Sánchez que a essa altura do jogo é um dos melhores do mundo.

- Na sequência visitamos o Peru e a força da bola parada nos garantiu mais um triunfo. Matías Fernández em cobrança de falta e Toro, duas vezes de cabeça após cobranças de escanteio, garantiram outro 3 a 1 e a terceira posição nas Eliminatórias.

cap14_02

- Com a virada para 2016 a competição teve uma pausa. Em março voltamos a campo para disputar um amistoso contra o Kuwait. Como esperado vencemos por 4 a 2 com um gol contra deles, um tento de Labrin de cabeça, um de Matías Fernández e outro de Aléxis Sánchez.

- De volta às Eliminatórias recebemos a Argentina. A expectativa era de um confronto de um só time, tal qual havia sido contra o Brasil. La Roja, porém, saiu na frente. Em um contra-ataque rápido Beausejour recebeu na esquerda cortou pro meio e fez o 1 a 0. Tínhamos que aguentar, mas Messi, Di Maria e companhia eram bem melhores que nosso time. Aos 35 do segundo tempo eles empataram. Messi. Mas felizmente garantimos o 1 a 1 até o fim.

- Alguns dias depois visitamos a Venezuela e apesar de sermos favoritos a meta Vinotinto não era vazada de jeito nenhum. Até os 30 do segundo tempo o 0 a 0 teimava em ficar lá, mesmo com mais de 20 chutes chilenos. No finzinho o esforço foi recompensado. Rubio, que veio do banco de reservas, aproveitou confusão na área para fazer o único gol da partida.

- O Chile se reuniu novamente em agosto para disputar um amistoso contra a Guiana Francesa. Embora o desempenho estivesse bom, ainda precisava fazer Vidal jogar mais. Não sei se como meia ou volante. Bom, passamos por cima do fraco adversário por 5 a 0 com um gol contra deles e tentos de Matias Fernández, Medel e Sánchez (2x).

LEIA TAMBÉM: Perguntamos o que você queria saber ao produtor de Football Manager

- Em setembro recebemos a Bolívia em Santiago e conseguimos mais uma goleada: 6 a 0, com direito a cinco gols de Matías Fernández, quase todos em contra-ataques. Um dos testes feitos foi mover ele para a função de meia e deixar Vidal como volante. Lá na frente Aránguiz ganhou uma vaga improvisado pela direita.

- Na sequência recebemos o Uruguai e não nos demos bem. Abrimos o placar com Jara após cobrança de escanteio, mas tomamos a virada. No segundo tempo Rubio, que entrara no lugar de um inábil Vargas, fez o 2 a 2. Mas no fim eles retomaram a dianteira. 3 a 2 para os Charruas.

- Um mês depois e ainda na terceira posição das Eliminatórias, o Chile visitou a Colômbia e conseguiu um importante triunfo. Vidal em chute de longa distância abriu o placar para La Roja, enquanto Sánchez, em contra-ataque de muita velocidade ampliou. A Colômbia até diminuiu, mas o 2 a 1 ficou.

- O segundo turno das Eliminatórias começou em outubro contra o Paraguai. Mesmo com nosso favoritismo não conseguimos repetir as boas atuações de antes e acabamos empatando por 1 a 1. O Paraguai abriu o placar, mas chegamos ao empate com Matías Fernández.

- Pra finalizar o ano recebemos o Brasil em Santiago. Mais do que o resultado, uma boa atuação contra a melhor seleção das Eliminatórias poderia nos dar a confiança de que o trabalho estava sendo bem feito e que o futuro poderia ser de grandes coisas. Orientei meus atletas para pressionarem mais que o normal o time adversário. Deu certo. O Brasil teve poucas chances claras de gol e o que passou pela defesa parou no goleiro Bravo. No segundo tempo Mark González recebeu na esquerda, cortou pro meio e bateu… Sem chance. 1 a 0. Dali em diante nos seguramos como deu e conseguimos este importante triunfo.

cap14_03

Encerramos o ano em terceiro lugar, atrás de Brasil e Uruguai, mas com a Argentina em nossa cola. Espero ir direto pra Copa do Mundo, mas se for o caso de jogar repescagem não tem problema.

Este foi o nosso time da primeira temporada (não sei por que raios eles pensam que o Matias é banco):

cap14_04

cap14_05

No próximo post iniciamos 2017 pra falar do Instituto de Córdoba, atual campeão do Apertura!

Você também pode se interessar por:

>>>> [Uma Saga de FM] Parte 1: a inspiração em Bielsa e escolha do time

>>>> [Uma Saga de FM] Capítulo 2: Contratações

>>>> [Uma saga de FM] Capítulo 3: Avanço e balanço da primeira temporada

>>>> [Uma Saga de FM] Capítulo 4: Para embalar!

>>>> [Uma Saga de FM] Capítulo 5: Um imbatível Instituto!

>>>> [Uma Saga de FM] Capítulo 6: A primeira impressão

>>>> [Uma Saga de FM] Capítulo 7: Reticências apenas

>>>> [Uma Saga de FM] Capítulo 8: A realidade

>>>> [Uma Saga de FM] Capítulo 9: Adelante!

>>>> [Uma Saga de FM] Capítulo 10: O mundo em 2015

>>>> [Uma Saga de FM] Capítulo 11: Cambiando

>>>> [Uma Saga de FM] Capítulo 12: Doravante

>>>> [Uma Saga de FM] Capítulo 13: De volta aos princípios