Brazil Soccer WCup Uruguay England

Uruguai 2×1 Inglaterra: Suárez voltou como herói para deixar os ingleses por um fio

A crônica

A Inglaterra renovada, com a mescla de jovens e veteranos, não foi suficiente para brecar o guerreiro Luis Suárez. Mesmo ainda em processo de recuperação de uma cirurgia no joelho, o uruguaio voltou a vestir a camisa de sua seleção para dar à Celeste a vitória por 2 a 1 sobre os Three Lions em um jogo muito equilibrado e ofensivo, decidido realmente nos detalhes. Foi aí que Luisito brilhou. As lágrimas  do artilheiro após o jogo ilustram o significado que um retorno como esses teve para ele.

Uruguai e Inglaterra fizeram um primeiro tempo muito bom e equilibrado. Os ingleses começaram um pouco melhor, mas desde o começo notava-se uma mudança positiva na Celeste: sem Lugano, a defesa estava mais ágil, firme e fechava muito bem os espaços dos jogadores de ataque ingleses. Lá e cá, a partida teve um ótimo ritmo durante todos os 45 minutos iniciais, e a primeira grande chance foi dos Three Lions.

Aos nove minutos, após falta de Godín na entrada da área, que rendeu ao zagueiro uruguaio o primeiro cartão amarelo do jogo, Rooney bateu com perigo e por pouco não abriu o placar. A resposta do Uruguai foi igualmente perigosa. “Cebola” Rodríguez recebeu na ponta esquerda com espaço, pensou bastante e bateu cruzado, por cima do gol, assustando os ingleses.

O jogo seguiu movimentado, com ambas as equipes atacando muito, levando pouco tempo da defesa ao ataque. Os ingleses então passaram a ter menos espaços, e o Uruguai cresceu. Até que, aos 39 minutos, um desarme de bola no meio do campo pega a defesa inglesa meio desprevenida. Cavani recebeu na entrada da área, cruzou para Suárez, e o jogador do Liverpool, com muita precisão, cabeceou tirando do alcance de Hart para fazer 1 a 0.

O gol deu moral aos uruguaios, que começaram o segundo tempo pressionando muito e quase ampliando para 2 a 0. Aos três minutos, Hart salvou em cima da linha, após escanteio de Suárez desviado pela zaga inglesa. Os uruguaios aproveitaram bastante o lado direito da defesa da Inglaterra nos dez minutos de pressão no começo da segunda etapa. Cavani teve ótima chance de fazer o seu, mas o goleiro inglês saiu bem, fechando o ângulo do centroavante.

Eventualmente a Inglaterra reequilibrou o jogo e voltou a levar perigo, sobretudo com Rooney. As entradas de Barkley e Lallana nos lugares de Sterling e Welbeck melhoraram a equipe, e o camisa 10 empatou para os ingleses após linda jogada de Glen Johnson pela direita, aos 30 minutos do segundo tempo.

Depois do empate da Inglaterra, nenhuma das equipes se fechou. Ambos precisavam da vitória e tinham que se lançar ao ataque. Os contra-ataques uruguaios levavam perigo, mas o que realmente definiu o jogo foi uma falha de Steven Gerrard. Muslera repôs a bola com um chutão para o meio de campo, e o capitão inglês perdeu o duelo pelo alto, e a redonda sobrou com Suárez. Com a defesa da Inglaterra pega de surpresa, Luisito teve liberdade para descer na diagonal e mandar uma bomba de dentro da área para fazer 2 a 1 e definir a vitória uruguaia.

Diferentemente de outros anos, a Inglaterra entrou para essa Copa do Mundo pouco acreditada e desempenhou um bom futebol. Para seu azar, teve pela frente dois adversários bastante tradicionais e, mesmo jogando mais que nas últimas duas edições de Mundial, praticamente se despede hoje da competição com mais uma derrota por 2 a 1. O algoz dessa vez foi Luis Suárez, um jogador que representa a garra uruguaia como nenhum outro atualmente. Depois de uma cirurgia em cima da hora, retornando ainda sem condições ideais, Luisito foi aquilo que dele se esperava: herói. Protagonista em Itaquera, Suárez marcou os dois gols da vitória e foi ovacionado pelos próprios companheiros após o apito final. Agradecimento justo.

FICHA TÉCNICA

Uruguai 2×1 Inglaterra

Uruguai

Uruguai_escudoFernando Muslera; Martín Cáceres, José María Giménez, Diego Godín e Álvaro Pereira; Álvaro González (Jorge Fucile, 33′/2T), Arévalo Rios, Cristian Rodríguez e Nicolás Lodeiro (Christian Stuani, 22′/2T); Edinson Cavani e Luis Suárez (Sebastián Coates, 43′/2T). Técnico: Óscar Tabárez.

Inglaterra

Inglaterra EscudoJoe Hart; Glen Johnson, Gary Cahill, Phil Jagielka e Leighton Baines; Steven Gerrard, Jordan Henderson (Rickie Lambert, 42′/2T), Raheem Sterling (Ross Barkley, 19′/2T), Wayne Rooney e Danny Welbeck (Adam Lallana, 26′/2T); Daniel Sturridge. Técnico: Roy Hodgson.

Local: Arena Corinthians, em São Paulo

Árbitro: Carlos Velasco Carballo (ESP)

Gols: Luis Suárez, aos 39′/1T e aos 39′/2T; Wayne Rooney, aos 30′/2T

Cartões amarelos: Diego Godín (Uruguai); Steven Gerrard (Inglaterra)

Cartões vermelhos: Nenhum

O cara

Luis Suárez passou por uma operação no joelho poucos dias antes do início da Copa.  Perdeu o primeiro jogo por não estar bem fisicamente e foi para a partida contra a Inglaterra sem estar 100%, já que a Celeste havia perdido na estreia e precisava do resultado. Voltou com dois gols e foi o herói da vitória que dá sobrevida aos uruguaios no Mundial.

Os gols

39’/1T: GOL DO URUGUAI!

O Uruguai toma a bola no meio do campo, a bola chega até Cavani, na esquerda. O atacante então cruza com precisão para Suárez, de cabeça, jogando no contrapé de Hart, abrir o placar.

30’/2T: GOL DA INGLATERRA!

Após linda jogada de Johnson pela direita, Rooney completa cruzamento rasteiro e empata para os ingleses

39’/2T: GOL DO URUGUAI!

Chutão do Uruguai acaba se transformando em passe após Gerrard perder a disputa de cabeça na intermediária, e a bola sobra para Suárez, que, sozinho, avança em diagonal e bate forte para dar a vitória para os uruguaios.

A Tática

Escalações iniciais de Uruguai e Inglaterra

Escalações iniciais de Uruguai e Inglaterra

Armado em um 4-3-1-2, o Uruguai liberava mais Cristian Rodríguez para apoiar Lodeiro na armação e chegar como opção de ataque pela esquerda. Suárez e Cavani trocavam bastante de lado no ataque, sem ter um deles como opção fixa lá na frente. Na Inglaterra, o esquema explica bastante o modo como jogaram os atletas. O time buscava o ataque sobretudo pelos cantos do campo, mais com Welbeck e Baines que com Sterling e Johnson. No meio do campo, Gerrard era o mais recuado, com Henderson tendo mais liberdade para subir.

A Estatística

29

Número de chutes de Wayne Rooney em Copas do Mundo até que conseguisse marcar seu primeiro gol contra o Uruguai, nesta quinta. Inglês disputou os Mundiais de 2006 e 2010 antes dessa edição.