Quando se trata de jogar contra os times da ponta da tabela, ninguém é melhor que o Chelsea no Campeonato Inglês. Considerando só o confronto entre os quatro primeiros colocados, o time de José Mourinho tem cinco jogos, quatro vitórias e um empate. Time de jogo grande. O problema é que o Chelsea segue perdendo pontos que não deveria. Depois de perder do Aston Villa, no dia 15 de março, o time passou como um trator sobre o Arsenal, 6 a 0 no dia 22. E, neste sábado, perdeu do Crystal Palace na casa do adversário por 1 a 0. Um Robin Hood da Premier League.

Robin Hood, você sabe, é um personagem do folclore inglês, que ficou conhecido, a partir do século XIX, como o ladrão que rouba os ricos para dar aos pobres. Ele e seus comparsas seriam foras da lei, que teriam vivido no período medieval. Robin Hood era um arqueiro habilidoso e com boas habilidades na espada. Não há time que melhor espelhe esse comportamento em termos de resultados que o Chelsea na Premier League.

O problema é que ser o Robin Hood não é uma vantagem. A derrota deste sábado tem tudo para fazer o time cair para segundo ou até terceiro colocado. Com 69 pontos, tem só um a mais que o Liverpool, que enfrenta o Tottenham neste domingo, e três a menos que o Manchester City, que joga ainda neste sábado com o Arsenal. Tudo bem, são dois jogos difíceis, mas os dois adversários do Chelsea são favoritos.

Como era esperado, o Chelsea teve o domínio da posse de bola, 67% a 33%, e até chutou mais a gol, 21 a 15. Mesmo assim, deu muitos espaços ao Palace, que tem por objetivo escapar do rebaixamento. Por sinal, a vitória foi essencial para o time do técnico Tony Pulis, que chega a 31 pontos em 16º lugar, dois a mais que o West Bromwich e cinco a mais que o Cardiff, primeiro time na zona do rebaixamento.

As derrotas do Chelsea na Premier League mostram o caráter Robin Hood do Chelsea: Everton, Newcastle, Stoke, Aston Villa e Crystal Palace. Destes, só o Everton está bem colocado, em quinto. Os demais, ainda que não façam campanha tão ruim, estão no meio da tabela. São times que o Chelsea precisa vencer. Mas parece que o time não tem a mesma intensidade contra esses adversários como tem contra os times mais fortes do país.

Um dos fatores que contribui para essas derrotas inesperadas do Chelsea é que esses times, ao contrário dos adversários mais fortes, só tentam se defender. O Chelsea de Mourinho é um time muito rápido, forte pelos lados do campo, que gosta de contra-atacar. Seus jogadores têm por característica maior a movimentação, a velocidade e aquela vontade de resolver os lances rapidamente. Algo que, contra um time que se defende muito atrás, não é possível fazer. Velocidade, contra-ataque, nada disso é possível quando o time adversário se defende quase todo atrás da linha da bola. Isso, claro, sem falar na motivação dos jogadores nesses jogos, que é diferente, e até do trabalho da comissão técnica. Certamente Mourinho não se dedica a estudar o Crystal Palace como faz com o Manchester City.

Ainda é cedo para dizer que esse será um pecado capital do Chelsea na briga pelo título. O time ainda está bem colocado e tem um time que já mostrou sua força. Mas diante de adversários que tem se mostrado tão fortes, como Manchester City e Liverpool, especialmente, não dá para perder tantos pontos bobos.

O gol da derrota por 1 a 0 neste sábado, aliás, ilustra bem a imagem de “rouba dos ricos para dar aos pobres” que Robin Hood tem. Foi um gol contra do capitão do time, John Terry. É bom o Chelsea parar de perder pontos bobos se quiser mesmo ganhar o título inglês.