Desde o início do trabalho de Jürgen Klopp, o Liverpool mostrou-se capaz de ser avassalador no ataque, sempre perigoso e próximo de marcar. Ao mesmo tempo, a defesa era frágil, desprotegida, aberta e propensa a cometer erros individuais. A pressão era para que o treinador alemão abrisse a carteira para trazer um zagueiro de primeira classe, o que aconteceu apenas no último mês de janeiro. Van Dijk precisou de algumas semanas, mas, enfim, conseguiu melhorar a defesa dos Reds.

LEIA MAIS: Na hora do aperto, foi a tão criticada defesa quem segurou a barra e classificou o Liverpool

O zagueiro holandês custou £ 75 milhões e se tornou o jogador da posição mais caro da história. Era o preço que o Liverpool precisava pagar por ter passado tantas janelas de transferências negligenciando a sua defesa. Os dividendos, porém, estão sendo pagos. Van Dijk é uma figura impositiva. Destaca-se por um físico forte e por uma boa técnica. Passa confiança ao mesmo tempo em que melhora os jogadores ao seu redor.

Basta acompanhar a evolução dos outros atletas da defesa do Liverpool. O jovem Trent Alexander-Arnold fez um jogo brilhante contra o Manchester City em Anfield. Andy Robertson está quase convencendo a torcida de que não é necessário contratar um lateral esquerdo titular. O tão criticado Lovren, o mais acostumado a cometer aqueles erros individuais, fez a partida da sua vida na vitória por 2 a 1 sobre o City, no Etihad Stadium, que valeu a classificação às semifinais.

Demorou um pouco para isso acontecer. A defesa vermelha, já com Van Dijk, ainda se mostrou frágil no 2 a 2 contra o Tottenham e na derrota para o West Brom, por 3 a 2, que valeu a eliminação na Copa da Inglaterra. No entanto, nas sete rodadas da Premier League, desde o empate com o Spurs, o Liverpool sofreu apenas quatro gols, dois do Manchester United. E nas quatro partidas das fases finais da Champions, foi vazado apenas por Gabriel Jesus, nesta terça-feira – Van Dijk foi poupado do jogo de volta contra o Porto, após o 5 a 0 da ida.

Nos momentos mais complicados da partida desta terça-feira, no primeiro tempo em que o Liverpool foi dominado pelo Manchester City, não foi o ataque quem resolveu o problema dos visitantes. Foi a defesa a responsável por minimizar os danos e impedir os donos da casa de criarem mais oportunidades de gol. Lovren foi preciso em todos os cortes, todas as cabeçadas, todas as interceptações, indiscutivelmente na sua melhor partida vestido de vermelho.

O ataque do Liverpool sempre foi confiável. Agora, a defesa passa alguma segurança. Van Dijk caiu como uma luva na equipe e melhorou os companheiros ao seu redor, incluindo o goleiro Karius. Com uma equipe mais equilibrada, o Liverpool vira uma força a ser reconhecida na semifinal da Champions League.