Cristiano Ronaldo chegou ao Manchester United em 2003, aos 18 anos. Curiosamente, ele pediu para vestir a camisa 28, o mesmo número que usava no Sporting, mas recebeu o número 7, o mais icônico do clube. E desde então, se tornou a sua marca. Quando ele chegou, um dos craques do time comandado por Alex Ferguson era Ruud van Nistelroy. O centroavante holandês estava no clube desde 2001 e por lá se consagrou como um excelente marcador de gols.

LEIA TAMBÉM: Entre centenas de gols, e entre tantos golaços, CR7 atingiu a apoteose em forma de bicicleta

Van Nistelrooy foi companheiro de Ronaldo por três temporadas antes de se transferir para o Real Madrid, em 2006. Curiosamente, o português também seguiu para o clube espanhol três anos depois, em 2009, já depois de ganhar o título de melhor jogador do mundo. Van Nistelrooy só durou mais uma temporada no clube merengue antes de sair para o Hamburgo, em 2010. Mas ficaram as recordações dos tempos de companheiro de Ronaldo. O ex-atacante comentou, em entrevista à Uefa, sobre o golaço de bicicleta de Cristiano Ronaldo contra a Juventus.

“Foi fantástico. Marcar pelo décimo jogo seguido e ainda por cima num jogo importante de uma competição de prestígio é um feito assinalável. E o gol de bicicleta foi algo do outro mundo. A altura a que ele remata a bola e a forma como lhe acerta são simplesmente inacreditáveis”, afirmou o ex-atacante.

“Ele era muito novo quando chegou a Inglaterra, mas já sabia o que queria ser. Chegou a dizer: ‘Quero ser o melhor atacante do mundo’. Quem ouve isto pensa que são sonhos típicos de um garoto em início de carreira. Mas a capacidade de trabalho e o talento que ele possui permitiram a ele atingir os objetivos, e não parece estar a perder qualidades. É fabuloso”, continuou o holandês.

O atacante holandês comentou qual foi o melhor sistema defensivo que enfrentou enquanto jogador. “O do Milan, composto por Cafu, Paolo Maldini, Alessandro Nesta e Jaap Stam, num jogo da Champions League. Era impossível passar por eles”, contou o ex-jogador.

Perguntado quem escolheria se fosse montar um time com cinco jogadores, ele escolheu jogadores do passado e do presente. “No gol, Edwin van der Sar, um símbolo do Manchester United e da Holanda durante vários anos. Depois, Jaap Stam, central forte, rápido e também bom com a bola nos pés. Mais à frente, Andrés Iniesta, um jogador que é um presente ver e que faz tudo com técnica e visão de jogo. Por fim, a dupla que domina o futebol mundial há dez anos: Lionel Messi e Cristiano Ronaldo, autênticos destruidores de recordes”, declarou Van Nistelrooy.