Britain Soccer Champions League

Ver Drogba do outro lado não fez o Chelsea perder seu amadurecimento na LC

Era de se esperar uma noite tranquila para o Chelsea. Por mais que as emoções viessem à flor da pele. Didier Drogba estava de volta à Stamford Bridge, desta vez do outro lado, mas ainda aclamado pela torcida dos Blues. E aquela que parecia ser a maior ameaça à classificação dos ingleses na Liga dos Campeões ficou mais emocionada pelas homenagens do que os antigos patrões assustados em reencontrar seu mito. Sem muito esforço, o Chelsea fez o dever de casa e derrotou os turcos por 2 a 0, placar suficiente depois do empate por 1 a 1 em Istambul.

A superioridade da equipe de José Mourinho contra os adversários eram evidentes. O principal problema do Galatasaray não vem de hoje e Roberto Mancini ainda não conseguiu solucionar: a falta de padrão de jogo da equipe. Sobram estrelas, mas tudo depende do lampejo de alguns dos medalhões em campo. Com Wesley Sneijder em péssima forma física e Drogba sem acertar uma jogada, ficou difícil para que os operários do elenco pudessem fazer valer os seus talentos, principalmente Selçuk Inan. A defesa londrina mal deixou o ataque adversário entrar em sua área, com Petr Cech sem fazer uma mísera defesa durante 90 minutos.

E se os holofotes paravam todos sobre Drogba, Samuel Eto’o fez questão de roubá-los logo aos quatro minutos de jogo. Se há uma disputa particular entre os dois predadores para saber quem foi o melhor jogador africano do Século XXI, pelo menos nesta noite, o camaronês se deu melhor. Pode não ter a história do marfinense em Londres, mas possui um poder de decisão tão grande quanto. Em ótima trama ofensiva, que também contou com a participação de Eden Hazard e Oscar, o camisa 29 venceu Fernando Muslera.

Com a vantagem estabelecida pelo Chelsea, o jogo foi mais cozinhado do que jogado. Embora tivesse mais posse de bola, o Galatasaray era inútil contra a melhor defesa da Inglaterra. E o Chelsea, bem mais perigoso quando tinha suas chances de atacar, embora também sofresse com as duras faltas cometidas pelo time turco. Depois de ameaçarem mais algumas vezes a meta de Muslera, o relaxamento foi assegurado antes mesmo do intervalo, com o segundo gol, anotado por Gary Cahill.

Depois disso, o duelo passou a ser mero cumprimento da regra, esperando que os 90 minutos se cumprissem. Mancini até fez algumas modificações no Galatasaray, sem efeito algum. Quem esteve próximo de balançar as redes foi o Chelsea, mas uma vez, mas Muslera conseguiu segurar as pontas nos lances de maior perigo, especialmente nos 15 minutos finais. Ao término do jogo, a torcida dos Blues pode até aplaudir Drogba mais um pouquinho, especialmente pelo fato de que a idolatria não foi colocada em xeque em nenhum momento, diante da fraca atuação do camisa 11.

Por enquanto, o Chelsea é o único clube inglês classificado às quartas de final – e talvez seja o único, se o Manchester United não reverter o quadro difícil contra o Olympiacos. Os Blues não têm a mesma badalação de Bayern de Munique e Real Madrid na competição continental, mas seguem com um time copeiro que os fez acumularem boas campanhas nos últimos tempos. Para tanto, precisarão saber conciliar as frentes na Premier League e na Champions. Se o desgaste no elenco não pesar, com a solidez da equipe e a incisividade do ataque mostradas hoje, dá para sonhar com mais algumas vitórias na LC. Por mais que Drogba não esteja mais em Stamford Bridge para anotar seus gols decisivos.

Formações iniciais

Chelsea x Galatasaray

Destaque do jogo

A linha de meias do Chelsea, com Hazard, Oscar e Eto’o. Em um jogo no qual a defesa manteve a segurança, a trinca fez o necessário para assegurar a classificação. A movimentação do trio foi excelente para desmantelar a pouco organizada defesa do Galatasaray, assim como abrir espaços para Eto’o e Lampard, os dois principais finalizadores do time. Oscar e Hazard deram dois chutes e quatro passes para finalização cada, fundamentais na jogada do primeiro gol.

Momento chave

O gol de Eto’o, logo aos quatro minutos. Foi o balde de água fria que os Blues precisavam para intimidar qualquer tentativa do Galatasaray de surpreender. Além disso, também foi um conforto para a torcida no reencontro com Drogba.

Os gols

4’/1T – GOL DO CHELSEA! Hazard puxa a marcação pelo meia e rola para Oscar. O armador enfia a bola para Eto’o, que chuta cruzado e conta com a colaboração de Muslera.

42’/1T – GOL DO CHELSEA! Após cobrança de escanteio, Terry cabeceia e Muslera faz milagre. Mas, com o goleiro caído, Cahill não perdoa e amplia.

Curiosidade

Eto’o é o 14º jogador da história da Liga dos Campeões a atingir a marca de 30 gols. E todos os tentos do camaronês com a camisa do Chelsea foram anotados em Stamford Bridge.

Ficha técnica

CHELSEA 2×0 GALATASARAY

Chelsea
Petr Cech, Branislav Ivanovic, Gary Cahill, John Terry e Cesar Azpilicueta; Ramires e Frank Lampard; Willian (Tomas Kalas, 45’/2T), Oscar (André Schürrle, 37’/2T) e Eden Hazard; Samuel Eto’o (Fernando Torres, 40’/2T). Técnico: José Mourinho.

Galatasaray
Fernando Muslera, Emanuel Eboué (Izet Hajrovic, 32’/2T), Aurélien Chedjou, Semih Kaya e Alex Telles; Yekta Kurtulus (Hakan Balta, 22’/2T), Felipe Melo, Selçuk Inan; Wesley Sneijder e Burak Yilmaz (Umut Bulut, 9’/2T); Didier Drogba. Técnico: Roberto Mancini.

Local: Stamford Bridge, em Londres (ING)
Árbitro: Felix Brych (ALE)
Gols: Samuel Eto’o, 4’/1T; Gary Cahill, 42’/1T
Cartões amarelos: Oscar e Branislav Ivanovic (Chelsea); Felipe Melo, Didier Drogba e Selçuk Inan (Galatasaray)
Cartões vermelhos: Nenhum