Ter um jogo a menos na reta final de um campeonato pode ser um carta na manga, se bem aproveitado, como o Manchester City fez. Só que pode não servir para nada se não souber tirar proveito, como o Real Madrid. Nesta quarta-feira, o time de Carlo Ancelotti viu o seu sonho de conquistar a tríplice coroa ficar bem difícil. No jogo que tinha na maga contra o Valladolid, o time não saiu de um empate por 1 a 1, viu o seu principal jogador, Cristiano Ronaldo, sair machucado. O empate deixa o Real Madrid a quatro pontos do Atlético de Madrid, a duas rodadas do fim. Não está fora da briga, mas ficou complicado.

>>>> Uma seleção de gols de calcanhar tão incríveis quanto o de Cristiano Ronaldo contra o Valencia

O jogo não começou bem para o Real Madrid. Aos nove minutos, Cristiano Ronaldo teve que sair de campo, machucado, deixando os torcedores arrepiados. Álvaro Morata o substituiu. Já era um mau sinal que deixava o torcedor com a pulga atrás da orelha. Não só pelo jogo em si, mas pelo futuro. Seria uma contusão grave? Ele estaria pronto para uma eventual decisão no domingo, pelo Espanhol? Morata até entrou bem, mas é claro que não dá para substituir o melhor do mundo à altura. Mesmo assim, o time abriu o placar aos 35 minutos com Sergio Ramos, em uma inusitada cobrança de falta.

Tudo correndo bem, então? É, na verdade não. O futebol apresentado estava muito fraco. Benzema foi fraco, Di María correspondeu, mas não conseguiu resolver, Isco até fez um bom jogo, mas também não conseguiu decidir. O Valladolid, então, aproveitou o mau futebol do adversário para crescer e, jogando em casa, conseguiu o empate aos 40 minutos do segundo tempo, gol de Osorio, de cabeça, em uma cobrança de escanteio. E aí, o golpe psicológico pareceu grande demais no Real Madrid, que não teve nos minutos finais uma chance clara para arrancar a vitória.

>>>> Pela primeira vez, um dérbi municipal na decisão da Champions: o maior de Madri

O Real Madrid é um dos melhores times da temporada na Europa e isso ficou evidente ao chegar à final da Liga dos Campeões. Precisava mostrar isso contra o Valladolid, e não mostrou. Não teve um jogador em campo capaz de decidir. Não se trata de depender de Cristiano Ronaldo, porque o time já mostrou em outros momentos da temporada que tem força para isso, como na final da Copa do Rei, quando não teve o português e foi campeão mesmo assim. Só que não teve Bale, que decidiu a Copa do Rei, não estava em campo. E o caldo engrossou. Tanto que no final do jogo, Marcelo entrou como ponta para tentar o empate, voltando de lesão. Não deu.

Agora o Real Madrid tem 84 pontos, quatro a menos que o Atlético de Madrid. Os merengues tem que torcer para o time de Diego Simeone tropeçar nos dois jogos finais. Se o Atlético vencer o Málaga no domingo, jogando em casa, os merengues não terão mais chances de título. O que pode ser pior para o torcedor merengue do que ver seus dois maiores rivais na disputa pelo título, o rival local, Atlético, e o rival nacional, o Barcelona? Claro que quem ri por último pode rir melhor e o título da Liga dos Campeões certamente deixaria os torcedores do time satisfeitos ao final da temporada. Mas a pressão será maior. Especialmente se o Atlético de Madrid chegar com a taça do Espanhol na bagagem em Lisboa, no dia 24 de maio.