Muita gente tem saudades de um futebol que já não existe mais e muita gente lembra com um carinho saudoso dos anos 1990. Que tal, então, um jogador que atuou pelo glorioso XV de Jaú em 1987 e ainda está em atividade? Pois bem: Kazuyoshi Miura, o Rei Kazu, renovou contrato com o Yokohama por mais uma temporada. O detalhe é que ele completará 51 anos no dia 26 de fevereiro.

LEIA TAMBÉM: Kazu, 50 anos: o aprendiz que veio ao Brasil com um sonho e voltou ao Japão para ser rei

Kazu nasceu em Shizuoka, no Japão, em 1967. Começou a carreira nas categorias de base do Shizuoka Gakuen, mas em 1982 ele aceitou o desafio de vir para o Brasil e jogou nas categorias de base do Juventus, da Mooca, clube tradicional de São Paulo. Jogou no Brasil por Santos, Palmeiras, Matsubara, XV de Jaú, Coritiba e depois fez carreira internacional. Chegou a atuar no Genoa, da Itália, e no Dinamo Zagreb, da Croácia. Desde 1999, joga no Japão. Primeiro no Kyoto Purple Sanga, depois no Vissel Kobe e, desde 2005, defende o Yokohama FC.

“Assinei a renovação de contrato para esta temporada. Eu sempre jogarei com meu coração e eu espero continuar a me desenvolver como jogador”, afirmou Kazu ao site do clube. Sim, isso mesmo, ele ainda quer se desenvolver.

Com 89 jogos pela seleção do Japão, Kazu vive pelo futebol desde os 15 anos e leva muito do futebol brasileiro na sua carreira. Inclusive na comemoração. O veterano faz uma dança quando marca gols, uma espécie de samba, que ficou conhecida como “dança do Kazu”.

Kazu tem algumas marcas impressionantes na sua carreira. Em 1993, por exemplo, ele foi o artilheiro e melhor jogador da temporada inaugural da J-League, sendo que tinha Zico e Gary Lineker atuando por lá. Mais do que isso, ele foi o primeiro japonês eleito o melhor jogador asiático do ano em 1993.

É a 33ª temporada de Kazu como jogador de futebol profissional. O Yokohama FC, seu time, atua na segunda divisão japonesa. Na última temporada, Kazu fez 12 jogos e marcou um gol. Será que esta temporada ele marca mais um gol ao menos? É bem possível. E será épico.